Serviços financeiros e banca também geram desconfiança

Portugueses são os que menos confiam no Governo

Percentagem de inquiridos que confia no Governo desceu de 27 para nove por cento
Foto
Percentagem de inquiridos que confia no Governo desceu de 27 para nove por cento Foto: REUTERS/Jose Manuel Ribeiro

Barómetro divulgado hoje revela que apenas nove por cento dos inquiridos deposita confiança no actual Executivo. ONG, empresas e comunicação social são as entidades mais credíveis.

Os portugueses são os que menos confiam no Governo entre um grupo de 23 países analisados num barómetro que avalia o nível de confiança nas empresas, Governo, ONG e media, que hoje será divulgado.

De acordo com o Edelman Trust Barometer 2011, que pela segunda vez inclui Portugal, apenas nove por cento dos 203 inquiridos afirmou confiar no executivo, revela a Lusa.

Face a 2010, o “Governo é a única instituição cujo nível de confiança se reduz”, refere o estudo. No ano passado, 27 por cento dos inquiridos afirmou confiar no executivo, um valor que desceu para nove por cento.

Entre os mais desconfiados nos Governos estão os irlandeses (20 por cento) e os alemães (33 por cento), enquanto os chineses (88 por cento) se mostram os mais confiantes.

Na mesma linha, Portugal “é o segundo país que atribui menos credibilidade a um representante do Governo ou regulador”, sendo apenas superado pela Indonésia, numa tabela liderada pelo Brasil.

Os portugueses consideram os técnicos das empresas (como cientistas ou engenheiros) os porta-vozes mais credíveis e os presidentes executivos os segundo menos credíveis.

Já as Organizações Não Governamentais (ONG) são as instituições em que os portugueses mais confiam (69 por cento), seguidas pelas empresas (47 por cento) e os meios de comunicação social (39 por cento).

Banca e seguros registam maior queda de confiança

No que respeita às empresas, os portugueses afirmam confiar mais nas multinacionais suecas (87 por cento) e suíças (83 por cento), estando no fim da lista três economias emergentes: Rússia (23 por cento), Índia (24 por cento) a China (28 por cento).

Metade dos inquiridos afirmou confiar nas multinacionais da vizinha Espanha.

Uma análise por sectores demonstra que a tecnologia (78 por cento) e a biotecnologia (77 por cento) são os sectores em que os portugueses mais confiam, por oposição aos seguros (31 por cento), serviços financeiros (31 por cento) e banca (31 por cento).

Na comparação com 2010, a banca e os seguros registam os maiores decréscimos em termos de confiança dos portugueses.

“Apesar da reduzida confiança no sector bancário, Portugal está acima de países como Espanha (35 por cento), Estados Unidos (25 por cento) ou Reino Unido (16 por cento)”, refere o barómetro.

Dos inquiridos, são os indonésios que se mostram mais confiantes no setor bancário (92 por cento) e os irlandeses os que se afirmam menos confiantes (seis por cento).

Segundo o barómetro, os motores de busca “são a primeira fonte de informação” e os meios de comunicação social tradicionais “são os mais credíveis, com destaque para a rádio e imprensa escrita, generalista e de negócios”.

Em Portugal, o Edelman Trust Barometer 2011 resulta de uma parceria entre a consultora de comunicação GCI e a Escola de Negócios da Universidade do Porto e é baseado em entrevistas telefónicas feitas a cidadãos que vêem regularmente notícias económicas e políticas, possuem pelo menos uma licenciatura e pertencem ao escalão de rendimento mais elevado. com Lusa

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações