Benfica reclama estatuto de campeão

FC Porto atacou mal e defendeu pior
Jesus ganha duelo com Villas-Boas
Golos de Coentrão e Javi García

Foto
A última vez que o Benfica tinha vencido no Dragão foi em 2005-06 Foto: Fernando Veludo/nFactos

Pouco antes do início, os ecrãs gigantes mostraram os cinco golos com que o Benfica saiu vergado do Dragão, em Novembro. Mas o efeito psicológico esteve longe de ser o desejado e tinham passados apenas seis minutos até que Fábio Coentrão (que havia recuperado a bola e iniciado o contra-ataque) aproveitou uma assistência de Saviola e deixou os adeptos portistas à beira de um ataque de nervos. Justificados, porque ficou a ideia que Maicon ficou confundido com o passe do argentino para as suas costas, mas também que terá tido mais do que tempo para anular um lance em que faltou o entendimento com Helton.

A aselhice de Maicon pareceu ter contagiado toda a equipa do FC Porto, que rapidamente confirmou ter perdido poder de intimidação. E, pouco a pouco, foi mostrando também que não entrou com um plano de jogo. Ou, se o tinha, não foi capaz de o aplicar, submetido que foi pelo adversário à condição de vítima dócil e impotente. Uma incapacidade que resultou em boa parte das surpresas guardadas por Jorge Jesus. Já se tinha percebido, no final do jogo da Taça da Liga, na Vila das Aves, que o técnico andava a ensaiar um desenho táctico diferente, sem Aimar. E, de facto, o Benfica começou distribuído num 4x4x2 clássico, mas com César Peixoto na mesma linha de Javi García, em vez do anunciado Airton. Uma alteração que, apesar de mais ou menos anunciada, não pareceu prevista no guião de Villas-Boas.

O treinador portista perdeu em toda a linha, até nos “mind games”: Falcao não estava apto e ficou de fora. Também discutível foi a aposta em Sereno como lateral-esquerdo em vez de Fucile. Com Sapunaru do outro lado, nenhum dos laterais funcionava como mais-valia em termos de profundidade ofensiva.

Os reflexos da estratégia de Jorge Jesus no jogo portista foram rápidos e evidentes: o duplo pivot não deixava espaço nem tempo para que João Moutinho e Belluschi burilassem o jogo e o FC Porto acusava deficiências pouco habituais na zona de construção. Atacou mal, defendeu pior – nada funcionou. Ao invés, no Benfica, a utilização de dois médios defensivos trouxe outro tipo de ganhos, porque Salvio e, principalmente, Gaitán se deram bem com um modelo em que sentiam as costas mais defendidas. Importante foi também a capacidade de defender alto. Jesus aprendeu bem a lição dos 5-0 e soube retirar vantagem do caos que produziu no adversário.

De resto, foi surpreendente a incapacidade de o FC Porto se manter firme num momento adverso. Ainda não se lhe tinha visto tal esta época, mesmo na derrota caseira com o Nacional. Os portistas mostraram-se pela primeira vez aos 17’, mas numa recarga e depois de um livre de Hulk, que foi tentando o impossível, como naquele remate portentoso de longe, aos 45’, defendido por Júlio César. Pelo meio houve um desperdício escandaloso de James, após uma tabela deliciosa entre Sapunaru e Varela. Pouco, demasiado pouco, até porque o Benfica só não aproveitou uma displicência de Helton (20’) porque Cardozo tem aquela faceta de precisar de pedir licença a um pé para mexer o outro. O segundo golo acabou por surgir com alguma naturalidade aos 26’, num remate de meia-distância muito bem colocado por Javi García.

Ao intervalo era evidente que o FC Porto precisava mudar muita coisa, a começar pelo posicionamento de Hulk, que percebe melhor as movimentações que se exigem a um ponta-de-lança, mas continua a render mais partindo das alas. Mas como fazê-lo, se Walter nem sequer teve direito a sentar-se no banco e não havia alternativa disponível?

Entrou Rodríguez e o FC Porto melhorou em termos de posse de bola, passando a jogar mais no meio campo de um Benfica que lutou pela vitória em cada metro do campo, principalmente após Fábio Coentrão ter visto o segundo amarelo. E o melhor que o FC Porto conseguiu foi um livre relativamente perigoso marcado por Belluschi. Ao invés, o Benfica só não marcou o terceiro golo porque Helton aproveitou um remate de Cardozo para fazer a defesa da noite.

O FC Porto continua a ter 11 pontos de vantagem na Liga, mas que parecem valer menos depois da noite desta quarta-feira. Por culpa própria e muito mérito do Benfica.


POSITIVO e NEGATIVO

+


Jorge Jesus
Coentrão foi expulso, mas fez uma primeira parte de grande nível. Sidnei provou que a saída de David Luiz não tem de ser traumática, formando uma grande dupla com Luisão. Gaitán e Saviola também estiveram muito bem, até nas ajudas defensivas. O Benfica foi uma equipa fiável, compacta e eficaz (marcou dois golos nos três primeiros remates à baliza). Mas o mérito principal tem de ir para Jorge Jesus. Arriscou mudar e escolheu bem.

Varela
Numa equipa em que pouca coisa funcionou bem, Varela foi a unidade mais regular e dos poucos capazes de criarem algum desequilíbrio no adversário. Construiu a melhor jogada do FC Porto, desperdiçada por James Rodríguez.

Paulo Baptista
O árbitro alentejano não é internacional, apesar dos 11 anos na primeira categoria, mas deu conta do recado. Cometeu pequenos erros, mas aparentemente nenhum grave.

-


André Villas-Boas
Perdeu no campo e na batalha táctica: o FC Porto nunca pareceu preparado para lidar com o duplo pivot defensivo do Benfica. E também não se percebe como é que Walter (tal como Fucile) nem no “banco” teve lugar.
Ficha de jogoFC Porto, 0
Benfica 2

Jogo no Estádio do Dragão, no Porto.Assistência
47.512 espectadores

FC Porto

Helton

5

, Sapunaru

6

, Rolando

5

, Maicon

4

, Sereno

5

(Ruben Micael

-

, 79’), Fernando

5

, João Moutinho

5

, Belluschi

5

(Guarín

5

, 64’), James

4

(Cristián Rodríguez

5

, 46’), Varela

7

e Hulk

6

.

Treinador

André Villas-Boas

Benfica

Júlio César

6

, Maxi Pereira

5

, Luisão

7

, Sidnei

7

, Fábio Coentrão

7

, Javi García

7

, César Peixoto

6

(Airton

-

, 88’), Gaitán

7

(Franco Jara

-

, 93’), Salvio

6

, Saviola

7

(Aimar

5

, 69’) e Cardozo

5

.

Treinador

Jorge Jesus

Árbitro

Paulo Baptista

7

, de Portalegre.

Amarelos

F. Coentrão (15’ e 59’), Sereno (33’), Hulk (43’), James (45’), Cardozo (63’), Guarín (84’, Gaitán (87’), Aimar (89’) e J. César (94’).

Vermelho

F. Coentrão (59’)

Golos

0-1, por Fábio Coentrão, aos 6’; 0-2, por Javi García, aos 26’.

Notícia actualizada às 00h13