Sócrates desmente telefonema "desesperado" a Merkel

Primeiro-ministro nega ter contactado a chanceler alemã a pedir ajuda

Nem telefonou, nem pediu ajuda. A garantia foi ontem dada pelo primeiro-ministro, em resposta à notícia do The Guardian, que dizia que José Sócrates teria feito um telefonema "desesperado" à chanceler alemã a pedir auxílio. De acordo com o jornal britânico, que cita fontes que testemunharam a conversa telefónica entre os dois chefes de governo, José Sócrates parecia "desesperado" e terá perguntado a Angela Merkel como devia agir, prometendo "fazer tudo o que ela quisesse", com uma única excepção: Portugal não iria, de forma alguma, pedir ajuda à União Europeia e ao FMI, como fez a Grécia e a Irlanda.

Contudo, de acordo com o gabinete do primeiro-ministro, que contactou ontem o jornal, o telefonema e a conversa entre Sócrates e Merkel nunca aconteceram. Em declarações ao negócios.pt, a mesma fonte garantiu que o telefonema foi "inventado", lamentando que "jornais sérios façam notícias destas", que parecem obedecer a "certas agendas".

Segundo o The Guardian, Merkel terá deixado Sócrates à espera ao telefone enquanto ligava ao director do FMI a pedir a sua opinião. Mas esta foi demolidora: Strauss-Kahn terá dito que o pedido de Sócrates não fazia sentido, "pois ele não seguiria nenhum conselho que lhe fosse dado". Ana Rita Faria