Comício em Vila Real

Alegre: presidenciais são “uma luta de vida ou de morte para a democracia”

Manuel Alegre dramatizou em Vila Real
Foto
Manuel Alegre dramatizou em Vila Real

O candidato presidencial continua a acenar com os perigos da eventual reeleição de Cavaco Silva. “Esta é uma luta de vida ou de morte para a democracia nacional”, disse esta segunda-feira em Vila Real.

Diante de um auditório lotado, no Teatro Municipal de Vila Real, Manuel Alegre levou o discurso da dramatização mais longe. Afirmou que as eleições presidenciais configuram “uma luta de vida ou de morte para a democracia nacional”, apelando ao voto “na esquerda” para “evitar que a direita tome o poder todo”.

Insistiu ainda que, caso Cavaco Silva seja reeleito, “vai demitir o Governo, dissolver a Assembleia da República e abrir a porta do poder ao PSD e ao CDS” – uma “agenda política” que inclui ainda a “entrada do FMI [Fundo Monetário Internacional]”.

E reiterando a crítica à ausência de Cavaco nas cerimónias fúnebres de José Saramago – ideia que tem vindo a frisar quase todas as noites –, Alegre acrescentou esta noite que a posição do candidato e Presidente seria diferente se se tratasse de o “dono de um grande banco”: “Se calhar, se fosse de um dono de um grande banco ele não teria faltado.”