Justiça

Violador de Telheiras: Advogado diz que arguido está arrependido

O julgamento de Henrique Sotero vai decorrer nas Varas Criminais, no Campus da Justiça de Lisboa
Foto
O julgamento de Henrique Sotero vai decorrer nas Varas Criminais, no Campus da Justiça de Lisboa Enric Vives-Rubio

Henrique Sotero, conhecido como o “violador de Telheiras”, começa na sexta-feira a ser julgado, em Lisboa, por 11 crimes de abusos sexuais e, segundo o seu advogado, está arrependido e consciente dos actos que praticou.

António Pereira da Silva, advogado de defesa de Henrique Sotero, garantiu à Agência Lusa que o seu cliente “está arrependido do que fez e consciente da ilicitude dos seus actos”.

“O meu cliente tem perfeita consciência da ilicitude e a defesa nunca tentará branquear o que não tem branqueamento possível”, afirmou o advogado, que espera que os juízes sejam “ponderados, sensatos e com experiência de vida”.

Henrique Soterro, um engenheiro químico de 30 anos sem antecedentes criminais, está acusado de 11 violações, alegadamente sete casos ocorridos em Telheiras, três em Alfragide e um em Oeiras, tendo sido detido a 5 de Março de 2010 pela Polícia Judiciária no seu local de trabalho.

“Estamos empenhados em contribuir para um julgamento justo, em que todas as circunstâncias que rodearam a prática dos crimes sejam consideradas”, assegurou Pereira da Silva, garantindo que o arguido “está calmo”.

O Código Penal define que “quem, por meio de violência ou ameaça grave, cometer crimes sexuais, definidos na lei como o ato de constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, cópula, coito anal ou coito oral; ou a sofrer introdução vaginal ou anal de partes do corpo ou objectos, é punido com pena de prisão de três a dez anos”.

O julgamento de Henrique Sotero vai decorrer nas Varas Criminais, no Campus da Justiça de Lisboa.

Sugerir correcção