Peter Evans, trompete, século XXI

Foto
Joaquim Mendes

Evans integrou-se naturalmente no xadrez complexo do jazz actual e, pelo que fez em 2010, não podemos perdê-lo de vista em 2011

Outro dos registos que se repetiu e multiplicou nas listas dos melhores do ano foi "Scenes in the House of Music", gravação ao vivo na Casa da Música em que o celebrado trio de Evan Parker, Barry Guy e Paul Lytton surge acompanhado de um quarto músico, o jovem trompetista Peter Evans. Ponto comum nos comentários ao disco é o espanto perante a forma absolutamente natural como Evans se integrou no xadrez complexo e exigente formado por três dos mais importantes veteranos da improvisação europeia. Com lugar cativo nos Mostly Other People Do The Killing, a nova banda coqueluche do action jazz, e um outro registo, "Live in Lisbon", a marcar  o ano discográfico que passou, Peter Evans é outro dos nomes a seguir com atenção em 2011.