Futebol internacional

Rússia e Qatar prometeram gastar muito dinheiro mas não foi só isso

Putin ainda foi a Zurique após conhecer o triunfo russo
Foto
Putin ainda foi a Zurique após conhecer o triunfo russo Christian Hartmann/Reuters

Num raio X aos dois vencedores, encontram-se alguns dos argumentos que os vencedores da corrida aos Mundiais de 2018 e 2022 apresentaram à FIFA. À partida, há um dado a reter: a Rússia é o maior país a organizar um Mundial e o Qatar é o mais pequeno.

RÚSSIA

População: 142 milhões de habitantesÁrea: 17.075.400km2
Capital: Moscovo
Participações no Mundial - Rússia: 2 (1994, 2002); URSS: 7 (1958, 1962, 1966, 1970, 1982, 1986, 1990)

Dados da candidatura

Cidades-sede: 13 (Moscovo, Kaliningrado, São Petersburgo, Yaroslavl, Nizhny Novgorod, Kazan, Saransk, Samara, Rostov-on-Don, Volvogrado, Krasnodar, Sochi e Yekaterimburgo,


Estádios 16 (13 novos e três renovados)


Orçamento para estádios: 2800 milhões de euros


Quartos de hotel: 100.000


Despesas correntes 475,1 milhões de euros


Bilhetes 3,1 milhões


Orçamento colossal

A Rússia vai gastar 2800 milhões de euros só em construção de estádios (o que é quase três vezes superior ao financiamento global do Estado português para o Euro 2004). O orçamento global está estimado em 45 mil milhões de euros. Os defensores da organização dizem que este evento ajudará a criar uma nova Rússia, mais aberta ao mundo. Os adversários contrapõem que a população não terá grandes benefícios.

Apoio feminino

A Rússia foi a única candidatura a chamar uma mulher ao palco para ajudar a convencer os membros da FIFA. Foi a atleta Yelena Isinbayeva, que tocou num aspecto muito caro a alguns responsáveis do organismo, ao dizer que um Mundial na FIFA ajudaria também a desenvolver o futebol feminino.

Transportes gratuitos

Uma das peculiaridades da candidatura russa foi a promessa de transporte gratuito (de autocarro e comboio) para os adeptos que se queiram deslocar entre as cidades que receberão jogos. Uma forma de tentar evitar desistências de adeptos, perante a dimensão do país (o maior a receber um Mundial): entre Kaliningrado e Yekaterimburgo distam 3000 km. E a velocidade média dos comboios é de 75 km/h.

QATAR

População: 1,7 milhões


Área: 11.437 km2


Capital: Doha


Participações no Mundial: 0


Dados da candidatura

Cidades-sede: 7 (Doha, Al-Rayyan, Al-Daayen, Umm Slal, Al-Khor, Al-Wakrah, Al-Shamal)


Estádios: 12 (9 novos, 3 remodelados)


Orçamento para estádios: 3 mil milhões de dólares


Quartos de hotel: 84.000


Despesas correntes: 645,5 milhões de dólares


Bilhetes: 2,8 mil milhões


Mundial compacto

O Qatar não só é o mais pequeno país do mundo a receber um Mundial de futebol, como fará competição mais compacta de sempre. Cinco das sete cidades-sedes estão num raio de 25 km.

Orçamento quase sem limites

O dinheiro não é problema, disseram os responsáveis qataris. A organização do Campeonato do Mundo implicará o investimento de mais de 40 mil milhões de dólares, incluindo 25 mil milhões num sistema de metro que chegará a todos os estádios e 11 mil milhões num novo aeroporto.

Estádios desmontáveis e com ar condicionado

O calor era uma das ameaças à realização de uma competição no Médio Oriente (temperaturas atingem a escala dos 40.º nos meses de Junho e Julho), mas os qatari contornaram o problema, prometendo a instalação de ar condicionado nos estádios e noutros locais. Este sistema será a energia solar, pelo que a organização publicita estádios com emissões-zero. Vários estádios serão desmontados após o Mundial e enviados para países com piores infra-estruturas.

Álcool proibido

o consumo de álcool é proibido no Qatar, um país islâmico, embora os organizadores afirmem que durante o Mundial será permitido ingerir bebidas alcoólicas em alguns locais.

Apoios de peso

Os ex-futebolistas Zidane, Ronald de Boer, Batistuta e Roger Milla foram algumas das figuras que apoiaram o Qatar, como o espanhol Pep Guardiola.