A Rússia em dados

Superfície 17.098.242 km2
Capital Moscovo
População 142 milhões de habitantes
Participações no Mundial Rússia: 2 (1994, 2002); URSS: 7 (1958, 1962, 1966, 1970, 1982, 1986, 1990)

Os dados da candidatura

Cidades-sede 13
Estádios 16 (13 novos e três renovados)
Orçamento para estádios 2800 milhões de euros
Quartos de hotel 100.000
Despesas correntes 475,1 milhões de euros
Bilhetes 3,1 milhões
Pontos fortes Número de estádios e hotéis novos, experiência na organização de eventos
Pontos fracos Dimensão territorial, inexistência de rotas aéreas entre várias regiões

Futebol

Rússia organiza o Mundial 2018

Foto: Reuters
Foto
Foto: Reuters

O Mundial 2018 vai ser organizado pela Rússia, decidiu hoje o comité executivo da FIFA, depois de ter analisado as candidaturas conjuntas de Portugal-Espanha e Holanda-Bélgica e a proposta da Inglaterra. Em 2022, será a vez de o Qatar receber a maior prova do futebol mundial.

A Rússia apresentou-se na corrida à organização com um argumento que terá funcionado a seu favor: o facto de nunca ter acolhido o Mundial de futebol. Na Europa já houve 10 campeonatos do mundo, mas será a primeira vez que uma prova vai ser organizada na Europa de leste.

Ao contrário do que acontecia nas candidaturas ibérica e inglesa, na proposta russa o trabalho infra-estrutural está quase todo por fazer. Na verdade, só o estádio Luzhniki, em Moscovo, cumpre os requisitos impostos pela FIFA para uma fase final da competição.

Devido à extensão do território russo, a componente logística constitui um desafio de grande dimensão para as 13 cidades que integram o projecto - com excepção de Ecaterimburgo, todas as cidades-anfitriãs ficam situadas na zona europeia do país.

Para Blatter, esta é uma oportunidade de voltar a desbravar território num Mundial, depois de ter aberto as portas à Coreia e ao Japão em 2002 e à África do Sul ainda este ano.

Inglaterra caiu logo na primeira fase

Na primeira fase da votação, a candidatura inglesa terá ficado desde logo pelo caminho, segundo apurou o PÚBLICO junto de Miguel Ángel López, responsável máximo pela candidatura ibérica. A FIFA confirmou entretanto os resultados desta fase, em que se registaram nove votos para a Rússia, sete para a candidatura ibérica, quatro para a Bélgica/Holanda e apenas dois para Inglaterra.

À segunda fase passaram, assim, Portugal/Espanha, Bélgica/Holanda e Rússia, que viria a vencer, com um total de 13 votos contra novamente sete da proposta ibérica e apenas dois da parceria entre Bélgica e Holanda.

Conhecida a decisão, Gary Lineker, antiga glória do futebol inglês, confessou a sua desilusão: "Estamos naturalmente decepcionados. Demos tudo o que tínhamos, a nossa candidatura foi muito bem apresentada. Tudo o que podemos fazer agora é desejar sorte à Rússia e esperar que organizem um grande campeonato".

O representante do governo russo em Zurique, Igor Shuvalov, deixou precisamente essa garantia, num comentário breve: "Acreditaram e confiaram em nós e não vamos desiludir-vos. Juntos vamos fazer história".

Recorde aqui o vídeo completo da apresentação da candidatura russa.

Notícia actualizada às 17h05