Gilberto Madaíl: “Há que rever muitas coisas no futebol”

Foto
Gilberto Madaíl diz que é preciso mudanças Miriam lago (arquivo)

“É preciso rever muitas coisas no futebol. Não digo isto por perder”, desabafou o líder da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), sem entrar em mais pormenores.

A crítica de Madaíl surgiu já depois de Miguel Ángel López, director-geral da candidatura ibérica, ter exprimido a sua insatisfação pela desvalorização dos relatórios técnicos, que davam melhor nota a Portugal/Espanha do que à Rússia, que viria a vencer na escolha do comité executivo.

“Parece-me bem que não seja sempre nos mesmos continentes”, disse Ángel López: “Neste caso não teriam sido necessárias as visitas dos técnicos da FIFA porque se a decisão final é uma questão de mundialidade do futebol, vem-se só à votação e poupa-se algum dinheiro.”

Apesar destes desabafos de algum ressentimento, Madaíl sublinhou que há “que dar os parabéns à Rússia” e destacou estar de “consciência tranquila”. “Fizemos todos os possíveis”, defendeu o dirigente.

Questionado sobre o eventual impacto da crise económica de Portugal e Espanha nesta decisão da FIFA, Madaíl respondeu que também fez essa pergunta a si próprio: “Não sei que influência terá tido, mas o Mundial é só em 2018 e Portugal há-de estar melhor nessa altura”.

Gilberto Madaíl foi ainda questionado sobre se esta derrota afecta a sua decisão sobre uma eventual recandidatura às eleições da FPF, que deverão realizar-se no início de 2011, ligação que o dirigente recusou: “Não tem nada a ver”, respondeu, sem dar mais pistas sobre se entrará ou não na próxima corrida eleitoral.