Europa de Leste e Isabelle Huppert levam prémios máximos

“Tilva Ros”, de Nikola Lezaic
Foto
“Tilva Ros”, de Nikola Lezaic

O sérvio "Tilva Ros" e o russo "Reverse Motion" vencem quarta edição do certame, com Isabelle Huppert a receber prémio de interpretação

“Tilva Ros”, estreia na longa-metragem do realizador sérvio Nikola Lezaic, é o filme vencedor da competição do Estoril Film Festival 2010.

O festival dirigido pelo produtor e distribuidor Paulo Branco, cuja quarta edição terminou ontem, premiou ainda a actriz francesa Isabelle Huppert e o filme russo de Andrei Stempkovski, “Reverse Motion”.

“Tilva Ros”, que recebeu também o Prémio Cineuropa e venceu há pouco o festival de Sarajevo, foi considerado pelo júri formado pela desenhadora de moda Bella Freud, pelo cozinheiro Juan Mari Arzak, pelo pianista Piotr Andreszewski e pelo músico Adolfo Luxúria Canibal a melhor das doze longas-metragens a concurso.

O filme acompanha um Verão na vida de dois amigos de uma pequena cidade sérvia, unidos pelo seu gosto pela cultura skateboard, durante o qual a visita de uma amiga emigrada em França e os seus projectos para o Outono começam a afastá-los um do outro.

Embora seja uma ficção, “Tilva Ros” é inspirado nas próprias vidas dos seus dois actores principais, que Lezaic descobriu por acaso no YouTube a fazerem acrobacias inspiradas pela série da MTV “Jackass”.

Isabelle Huppert recebeu o Prémio Especial do Júri João Bénard da Costa, em homenagem ao falecido director da Cinemateca Portuguesa.

Em “Copacabana”, de Marc Fitoussi, a veterana actriz francesa interpreta uma mulher de espírito livre que se decide a assentar e arranjar emprego quando compreende que a filha tem vergonha de si.

“Reverse Motion”, estreia na longa-metragem do moscovita Andrei Stempkovski, foi galardoado com o prémio para Melhor Argumento e com uma menção honrosa para a direcção de fotografia de Zaur Bolotaev.

O filme, sobre um veterano da guerra da Chechénia que parte em defesa de um órfão cazaque imigrado ilegalmente, já havia vencido o prémio de melhor primeira obra no festival de Montréal.

A actriz Joana de Verona, que vimos este ano em “Como Desenhar um Círculo Perfeito”, de Marco Martins, e “Mistérios de Lisboa”, de Raúl Ruiz, recebeu o prémio Jovem Talento 2010.

Na competição de curtas-metragens, o júri composto pelo artista Lawrence Weiner, pelo argumentista Carlos Saboga e pelo escritor e jornalista Rui Cardoso Martins premiou a curta belga “Sredni Vashtar”, de Alana Osbourne, e a polaca “Sing Me To Sleep”, de Magnus Arnesen.

Após a entrega dos prémios, apresentada pela actriz Maria João Bastos, e que se sucedeu a uma leitura de textos de Don de Lillo pela cantora, compositora e performer Laurie Anderson, o festival terminou com a projecção do filme vencedor e com a exibição do novo filme de Woody Allen, “You Will Meet a Tall Dark Stranger”.