Nobre critica silêncio de Alegre sobre greve geral

O candidato à presidência da República Fernando Nobre disse que que apoia a greve geral convocada pelas duas centrais sindicais para 24 de Novembro, criticando o silêncio de Manuel Alegre sobre a matéria.

"Apoio a greve geral em nome da salvaguarda das necessidades básicas de milhões de portugueses que estão a ser humilhados e profundamente atingidos na sua dignidade de seres humanos", disse Fernando Nobre durante um almoço em Tomar, que reuniu centena e meia de apoiantes.

Nobre lamentou que o candidato apoiado pelo Partido Socialista e pelo Bloco de Esquerda, Manuel Alegre, ainda nada tenha dito sobre o assunto, "porque não tem as mãos livres para o fazer".

Contactado pelo PÚBLICO, o director de campanha de Manuel Alegre, Duarte Cordeiro, rejeita a crítica e lembra que o socialista pediu reuniões com as duas centrais sindicais. Só nessa altura, Alegre tomará uma posição pública sobre a greve geral.

Na iniciativa de ontem, Fernando Nobre sublinhou que o país precisa de um Presidente "capaz de procurar consensos e promover compromissos".

"Em toda a minha vida ajudei a que se fizessem compromissos em situações limite de conflito e guerra, agora não conseguiria fazê-lo nos gabinetes políticos?", questionou, sublinhando que os únicos interesses que defende são os "de Portugal e de cada um dos portugueses".

Fernando Nobre terminou ontem uma semana de campanha pelo distrito de Santarém, que classificou de "terra de liberdade", aludindo ao facto de ter partido daquela cidade para "fazer o 25 de Abril um dos mais extraordinários portugueses da história do Portugal democrático", Salgueiro Maia. S.R.