Euro 2012

Paulo Bento só tem uma opção: ser mais esperto que os "Olsen's 11"

Nos últimos três jogos com a Dinamarca, Portugal perdeu dois e empatou um
Foto
Nos últimos três jogos com a Dinamarca, Portugal perdeu dois e empatou um José Manuel Ribeiro/Reuters

Como se resolve o problema Dinamarca? "Ganhando. É a única forma de resolver os problemas no futebol". Para Paulo Bento, não há jogos particulares, não há períodos de adaptação, não há estágios, não há mudança normal de ciclo, nem sequer dois jogos de transição. E muito menos uma contabilidade favorável para estar no Euro 2012.

O novo seleccionador português de futebol estreia-se esta sexta-feira no Estádio do Dragão com um sentido de urgência que em algum ponto costuma atravessar a carreira dos seleccionadores nacionais, mas normalmente não tão cedo. É preciso ganhar já. À Dinamarca, que ainda por cima não é, por exemplo, nenhum Chipre.

A primeira vez do antigo treinador do Sporting não poderia acontecer contra uma selecção com mais estabilidade no banco. Morten Olsen, com mais de 100 jogos tanto como jogador e treinador da Dinamarca, é há uma década o comandante de uma nação que protagoniza uma pequena rivalidade com Portugal nos últimos anos. Depois de seis vitórias nos seis primeiros jogos, entre 1966 e 1995, a selecção das quinas perdeu o jeito de bater os dinamarqueses, que somaram dois triunfos e um empate nos três últimos confrontos. A última vez que Portugal ganhou aconteceu em Março de 2000... quatro meses antes de Olsen assumir o cargo.

Portanto, para melhorar drasticamente a sua posição (penúltimo do Grupo H, a cinco pontos da Noruega) numa qualificação mais curta do que o habitual, é obrigatório fazer algo inédito: derrotar os Olsen"s 11 (os 11 de Olsen, uma das alcunhas da actual Dinamarca). Um bom desafio inicial para Paulo Bento.

No meio-campo nórdico devem ser titulares Christian Poulsen e Daniel Jensen, os responsáveis pela reviravolta da Dinamarca (3-2) nos últimos instantes do jogo, em Lisboa, de qualificação para o Mundial 2010. Mas há vários elementos que não podem defender a sua selecção. O central Daniel Agger (Liverpool) e o avançado Nicklas Bendtner (Arsenal) estão lesionados, enquanto o médio-ofensivo, Thomas Kahlenberg (Wolfsburgo), autor do golo da vitória na Islândia, está a acompanhar os últimos momentos da gravidez da esposa. O veterano Tomasson já não conta para esta história.

As ausências portuguesas já são conhecidas e Bento pode contar com Cristiano Ronaldo, um jogador que não tem significado golos para a selecção no passado mais recente. "Não se podem comparar os contextos e a forma de jogar no clube ou na selecção. Não tenho dúvidas que já demonstrou a qualidade na selecção nacional e continuará a demonstrar", explicou o seleccionador.