Novas fontes hidrotermais ao largo dos Açores

Ao largo dos Açores, estas emanações de água quente vindas do interior da Terra, repletas de enxofre, metais pesados, dióxido de carbono ou metano foram descobertas pela primeira vez em 1992, por uma equipa norte-americana - o famoso Campo Lucky Strike, a 180 milhas náuticas a sudoeste do Faial, portanto ainda dentro das 200 milhas da zona económica exclusiva (ZEE) portuguesa. Desde então, descobriram-se vários campos na ZEE ou já em águas internacionais.

O novo campo está na ZEE, pois fica a cinco quilómetros de um outro campo bem conhecido, o Menez Gwen, a 140 milhas a sudoeste do Faial.

Foi possível detectá-lo numa missão levada a cabo, no navio alemão Meteor, desde 6 de Setembro, por investigadores do Centro para as Ciências Ambientais Marinhas, ou Marum, e do Instituto para a Microbiologia Marinha Max Planck, ambos em Bremen, Alemanha. Precisamente porque o Menez Gwen tem sido esquadrinhado há anos por cientistas de todo o mundo, inclusivamente nesta missão, a equipa diz que a descoberta é "extraordinária", numa nota do Max Planck.

A equipa, que inclui ainda franceses e as biólogas portuguesas Sílvia Lino e, numa primeira parte, Ana Colaço, usou um sondador de múltiplos feixes de som de última geração, que permitiu ver a coluna de água por cima do chão marinho com grande precisão. Os cientistas depararam-se então com uma pluma de bolhas de gás, o que indiciava a presença das fontes lá em baixo, e foram à sua procura com um robô submarino não tripulado.

Encontraram fontes cujas chaminés (que se formam pela acumulação dos materiais trazidos pela água) têm um metro de altura e fauna característica destes ambientes, como mexilhões. A água atinge os 300 graus Celsius.

Entre as várias questões para que se procuram resposta, a chefe da missão, Nicole Dubilier, destacou: "A equipa gostaria de responder por que as fontes desta área emitem tanto metano, um gás de estufa muito potente."

Sugerir correcção
Comentar