Entrevista na TVI

José Sócrates garante que cortes nos salários são só para a função pública

Sócrates afirmou que não haverá um segundo orçamento, caso este não seja aprovado
Foto
Sócrates afirmou que não haverá um segundo orçamento, caso este não seja aprovado José Manuel Ribeiro/Reuters

José Sócrates esclareceu hoje que a redução dos salários só se aplicará à administração pública, assegurando que a questão não se coloca nos privados. O primeiro-ministro, em entrevista à TVI, acrescentou que nesse sentido a legislação do Orçamento do Estado será alterada para permitir “que se reduza os salários da administração pública”.

O chefe do Governo disse igualmente que o plano de austeridade serve também “para defender as famílias”, porque se as medidas não fossem tomadas “o país entraria em recessão”.

Questionado logo no início por Constança Cunha e Sá sobre se o estado a que chegou a economia portuguesa não é responsabilidade das suas políticas ao longo dos anos, José Sócrates respondeu de pronto: “Não”. Repetiu então o que já tinha dito na sexta-feira à RTP e a vários jornais internacionais. A despesa está a descer mas lentamente, ao contrário de outros países, e que as medidas foram tomadas agora e não em Maio para acalmar os mercados.

“Medidas destas só se tomam quando não há outra solução. (…) Vão permitir restaurar a credibilidade e cumprir os compromissos”, afirmou, assegurando que não vão necessárias novas medidas em 2011. Questionado sobre o facto de já ter dito o mesmo em Maio, quando foi aprovado o Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) 2, José Sócrates afirmou: “Fizemos as contas.”

Sobre a passagem do fundo de pensões da PT para o Estado, o primeiro-ministro voltou a lembrar que ele serve para superar o facto de ter que orçamentar a compra de um submarino e até talvez o segundo e afirmou mesmo que os submarinos “estavam a causar uma certa incerteza nos mercados internacionais”.

Garantiu, porém, que o fundo vai ser provisionado e alvo de várias auditorias independentes. “Os contribuintes não vão pagar nada”, assegurou, lembrando que o contrário não aconteceu com o fundo de pensões dos CTT, chamado para o Estado por um Governo do PSD, e que faz com que os contribuintes portugueses estejam a pagar agora com os seus impostos mil milhões de euros.

TGV Poceirão-Caia avança

José Sócrates garantiu que o troço da alta velocidade ferroviária Poceirão-Espanha vai mesmo avançar e voltou a fazer uma forte defesa das obras públicas. “O país não pode ser gerido com base no medo (…) Os investimentos públicos dão emprego e são ele que, juntamente com o investimento privado, que fazem crescer a economia. Não podemos desistir do futuro”, afirmou.

O primeiro-ministro reafirmou também, ainda que de forma menos clara que em outras ocasiões, que se o OE não for aprovado não apresentará um segundo e que, nesse caso, o Governo não deve continuar em funções. E desafiou o PSD a tomar a sua posição sobre o orçamento “o mais rapidamente possível” porque o contrário não contribui para garantir a confiança.

A resposta do PSD à entrevista veio pela voz de António Nogueira Leite, conselheiro económico de Passos Coelho, que se manifestou “muito preocupado”. “O primeiro-ministro não aprendeu nada com os erros e recusa reconhecê-los. Por outro lado já está a rescrever o passado”, afirmou à TVI24