Polémica

Decisão da Federação Portuguesa de Atletismo origina revolta no FC Porto

Ineta Radevica é uma das nove atletas bálticas contratadas pelo FC Porto
Foto
Ineta Radevica é uma das nove atletas bálticas contratadas pelo FC Porto DR

Parece estar instalada uma polémica sem precedentes no atletismo português. O FC Porto anunciou para hoje a convocação de uma conferência de imprensa em que reagirá de maneira oficial à decisão da assembleia geral da Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) de apenas permitir que cada clube inclua nas suas fileiras para os campeonatos nacionais colectivos atletas estrangeiros que não tenham competido há menos de 12 meses pelas suas selecções nacionais.

Esta decisão federativa veio na sequência de o FC Porto ter conseguido quebrar a longa invencibilidade do Sporting em termos de campeonatos de clubes, que se estendeu por 15 anos, utilizando nos Nacionais, a meio de Junho, nove atletas bálticas, a quase total maioria das quais contratadas para essa competição e também para os precedentes Nacionais de pista coberta, disputados em Fevereiro, que o FC Porto também ganhou.

A problemática levantada pela presença das atletas bálticas tornou-se ainda mais visível pelo facto de uma dessas atletas do FC Porto, Ineta Radevica, uma letã, se ter sagrado na Catalunha campeã da Europa do salto em comprimento, tendo obtido a mesma marca que Naide Gomes, que a havia vencido pelo Sporting nos Nacionais de clubes, ocorrendo o desempate pela consideração da segunda melhor marca.

Radevica, nos Nacionais portugueses, além do segundo lugar no comprimento ainda ganhou o triplo salto com uma marca de 14,40m com vento que há muito não obtinha.

Na conferência de imprensa do FC Porto marcada para hoje espera-se que o clube conteste fortemente a decisão da FPA, considerando-a lesiva dos seus interesses e sido tomada a pedido, para além de desrespeitar legislação comunitária, nomeadamente quanto a direitos de mobilidade e de livre escolha associativa no âmbito do desporto.

O FC Porto já tinha desinvestido o ano passado na sua formação colectiva masculina, reforçando apenas a tónica na formação e abdicando na prática de tentar vencer o Sporting a nível nacional. Agora, deverá anunciar que manterá a formação feminina, mas sem a presença potencial das estrangeiras deverá abster-se de representar Portugal na Taça dos Campeões Europeus, a que teria direito para o ano devido ao seu título de Junho. Resta ainda saber se o FC Porto irá tentar contestar juridicamente e em termos de eventual ressarcimento pecuniário a FPA, considerando que o investimento feito com as atletas estrangeiras foi escamoteado e tornado na prática inútil com a decisão federativa.

A FPA, contactada pelo PUBLICO, decidiu só reagir ao que o FC Porto irá anunciar na conferência de imprensa.

Sugerir correcção