Assange acusado de abuso sexual na Suécia

Foto
Assange é editor do WikiLeaks

As autoridades suecas vão inquirir o fundador do site de divulgação de documentos confidenciais WikiLeaks, Julian Assange, no âmbito da investigação de uma queixa por abuso sexual interposta por uma cidadã sueca. Mas uma segunda queixa contra Assange por violação foi desvalorizada pela polícia, que até já tinha emitido um mandado de captura contra aquele cidadão australiano.

"São boas notícias, mas não a 100 por cento", comentou à CNN Leif Silbersky, o advogado sueco que representa Assange. "A acusação mais severa foi arquivada e ele só terá de responder por um caso menor de molestação, que resulta normalmente no pagamento de uma multa".

Na Suécia, a definição criminal de abuso sexual abrange contactos físicos mas também outros comportamentos considerados desapropriados, que podem não ter uma natureza sexual.