StopEstra!: o projecto que promete marcar a Casa da Música

Paulo Pimenta
Foto
Paulo Pimenta

No primeiro Clubbing da rentrée, as bandas do centro comercial.

Quando há dois anos as bandas que ensaiam no Centro Comercial Stop integravam o Festival Future Places, começava a desmistificação da sua imagem. O antigo centro comercial da cidade do Porto, caído em desuso e cada vez mais um cluster de novas bandas portuguesas, dava os primeiros passos para a visibilidade. Agora, é a Casa da Música (CdM) que se prepara para as acolher, no primeiro Clubbing da rentrée, o que apanha o Dia Mundial da Música, a 1 e 2 de Outubro.

"É com agrado e respeito que olhamos para uma ‘casa da música' que nasce de forma espontânea", conta Jorge Prendas, o novo coordenador do Serviço Educativo da CdM, responsável pela iniciativa, ontem apresentada em conferência de imprensa.

O projecto, repartido pelos dois dias, inclui três acções distintas. No dia 1 de Outubro, as Brigadas Stop, constituídas por músicos que ensaiam no Stop, espalhar-se-ão pelos pontos simbólicos da cidade, como a Rua de Santa Catarina, a Praça da Batalha ou a Praça Gomes Teixeira. Das 10h00 às 16h00, as pessoas que passarem pelas artérias da Baixa vão ser presenteadas "com um banho de música", graceja Jorge Prendas. No dia seguinte, o sábado do primeiro Clubbing da estação - marcado apenas por música portuguesa - encerrará com a orquestra gigante formada pelos músicos do Stop - a StopEstra - coordenada pelo músico e compositor Tim Steiner.

"Se vierem todos os músicos, cerca de 300, será um sinal de vitalidade e mobilidade que adorávamos poder ter", diz o coordenador do Serviço Educativo.

Até 4 de Setembro, estão abertas as inscrições para cinco bandas made in Stop subirem ao palco Suggia na mesma noite. O critério é a "diversidade e pluralidade" e a escolha caberá ao Movimento de Músicos do Stop. Anselmo Canha, do Movimento e membro dos Repórter Estrábico, confessa-se "bastante curioso" num processo em que "lentamente vão-se dando passos, mudam-se rotinas e pressupostos". A ensaiar no Stop há cerca de sete anos, Rui Babince, membro de bandas como Teia e Touro, admite "não poder desperdiçar a oportunidade", uma vez que "a grande massa ainda desconhece a criação musical feita no Stop, um lugar ainda muito ingrato e alvo de preconceito".

Mas a rentrée da Casa da Música começa já para a semana, com a digressão da Orquestra Sinfónica do Porto CdM a Viena.

Até Dezembro, a Orquestra e o Remix Ensemble estreiam 11 obras e a 27 de Novembro haverá ainda uma "permuta inovadora entre orquestras", disse na conferência de imprensa o director artístico, António Jorge Pacheco. A Orquestra Sinfónica do Porto CdM irá a Lisboa, enquanto o Porto recebe a da Gulbenkian. As actividades regulares do Serviço Educativo permanecem e nomes como Herbie Hancock voltam à Casa. A 9 de Outubro, vários recitais de violoncelos tomarão de assalto os cafés mais emblemáticos da Baixa do Porto.