Sem carregar muito, o FC Porto conseguiu uma vitória simples e já é líder

Foto
Belluschi marcou o segundo golo portista nFactos/Fernando Veludo

A exibição foi assim-assim, mas o FC Porto conseguiu ontem uma vitória que, do ponto de vista psicológico, pode valer mais do que três pontos. Com o triunfo sobre o Beira-Mar no Estádio do Dragão por 3-0, os “azuis e brancos” chegaram à liderança da Liga e, acima de tudo, deixaram o Benfica, actual campeão nacional e principal rival, a seis pontos de distância. Falcao, por duas vezes, e Belluschi marcaram os golos.

Foi uma vitória simples, mas saborosa para o FC Porto. Ao quarto jogo oficial da época, os portistas estreavam-se no Dragão moralizados por um trajecto 100 por cento vitorioso e pelos deslizes dos adversários. Com várias ausências no sector ofensivo (Hulk, Mariano e os dois Rodriguez), o treinador portista manteve a aposta no “onze” que venceu em Genk, para a Liga Europa, por 3-0. O destaque era a estreia a titular na Liga de Ukra, mas o jovem extremo foi um dos azarados da noite e lesionou-se aos dois minutos. Sem Ukra e sem jogadores com características semelhantes no banco, Villas-Boas colocou Souza em campo, fazendo descair Belluschi para as alas.

No Beira-Mar os problemas eram maiores. Com um plantel limitado, Leonardo Jardim chegou ao Dragão com os 18 jogadores disponíveis e muitas ausências. O treinador madeirense não podia contar com o central Kanu, que se lesionou na primeira jornada, e cinco reforços que ainda não têm a situação regularizada: Meduna, Ruben Lima, Sérgio Oliveira, Maranhão e Ronny.

À semelhança do que se tinha passado na jornada inaugural contra a Naval, o FC Porto não entrou bem. Com uma equipa bem arrumada tacticamente, o Beira-Mar conseguiu tapar os caminhos na direcção da baliza defendida por Rui Rêgo e o primeiro remate dos “azuis e brancos” que seguiu na trajectória certa apareceu apenas aos 23’, mas o guarda-redes do Beira-Mar travou a tentativa de Belluschi. O jogo arrastava-se 
e parecia difícil desatar o nó aveirense no FC Porto, mas quem tem Falcao arrisca-se a não precisar de tentar muito: aos 26’, Álvaro Pereira centrou e o colombiano, com o habitual instinto matador, marcou de cabeça.

A intermitência da exibição portista ficou bem evidente nos dois lances de registo até ao intervalo. Aos 32’, uma hesitação dos centrais portistas permitiu a Wilson Eduardo chegar ao empate, mas o jogador emprestado pelo Sporting ao Beira-Mar não conseguiu rematar da melhor forma. Em cima do intervalo, Belluschi marcou de forma perfeita um livre directo e fez o 2-0. Sem fazer muito por isso, o FC Porto tinha o jogo resolvido.

E a segunda parte provou-o. Aos poucos, o Beira-Mar foi perdendo o atrevimento que mostrou nos primeiros 45 minutos e o jogo tornou-se mais monótono. Valeu aos portistas, mais uma vez, o inconformismo de Falcao. Aos 75’, o avançado falhou de forma incrível o terceiro golo, mas redimiu-se seis minutos mais tarde: Ruben Micael, que tinha entrado no segundo tempo, assistiu de forma perfeita o colombiano, que colocou a bola por debaixo do corpo de Rui Rêgo e fixou o resultado final em 3-0.