Naval resistiu a quase tudo menos ao penálti de Hulk

Foto
O FC Porto sentiu dificuldades em impor o seu jogo frente à Naval MANUEL ROBERTO

Só de grande penalidade o FC Porto conseguiu quebrar a resistência da Naval. Vitória suada da equipa de Villas-Boas no arranque do campeonato

O FC Porto iniciou a Liga a ganhar. A equipa de André Villas-Boas, que há uma semana derrotou o Benfica e conquistou a Supertaça, teve dificuldades consideráveis frente a um adversário quase sempre competente. Os "dragões" tentaram chegar ao golo de todas as formas imagináveis, mas seria apenas de grande penalidade, e já perto do fim da partida, que se colocaram em vantagem no marcador. Jonathas, com uma mão na bola, deitou tudo a perder para a Naval. Agradeceu Hulk, que fez o único golo do encontro, num remate muito forte sem hipóteses para o guarda-redes Salin.

O treinador do FC Porto, André Villas-Boas, não fez alterações na equipa, colocando em campo os mesmos onze que tinham alinhado de início na Supertaça. No entanto, a impressão não foi tão positiva como há uma semana e os "dragões" sentiram dificuldades frente ao meio-campo muito pressionante da Naval.

A equipa figueirense entrou em campo com várias novidades relativamente ao ano passado: desde logo no banco de suplentes, com a estreia do treinador francês Victor Zvunka na Liga portuguesa. E no "onze" inicial surgiram seis reforços: Salin na baliza, Jonathas e Rogério na defesa, João Pedro e Hugo Machado no meio-campo e Previtali no ataque.

O meio-campo da Naval, povoado com uma linha de cinco homens, recuperava rapidamente a bola e não deixava o FC Porto jogar. Sintomaticamente, o primeiro remate dos "dragões" surgiu apenas aos 21": Falcao, de cabeça, falhou a baliza após cruzamento de Belluschi.

O árbitro errou logo a seguir, quando mandou continuar a partida após uma queda de João Pedro na área do FC Porto, numa disputa com Álvaro Pereira, já que houve um toque do defesa portista. Aos 25" assistiu-se ao melhor lance da primeira parte, com Belluschi a rematar na cobrança de um livre e Salin a corresponder com uma grande defesa.

O FC Porto regressou do intervalo disposto a desfazer o nulo no marcador e para isso contou com Hulk a grande nível. As oportunidades foram-se sucedendo: Hulk (56", 68") e Belluschi (58" e 60") ameaçaram Salin. Porém, seria a Naval a estar muito perto do golo, quando aos 78" Previtali surgiu isolado. No entanto, o avançado francês perdeu muito tempo e permitiu o desarme de Álvaro Pereira.

E quando a equipa da casa já se preparava para saborear um ponto na primeira jornada, um disparate de Jonathas deitou tudo a perder. O defesa colocou a mão na bola, dentro da área, e na cobrança da grande penalidade Hulk não deu hipóteses a Salin. Após 83 minutos de resistência, a Naval terminou o jogo de mãos vazias.