O Museu do Côa é "a gravura que nós deixamos às gerações futuras"

Foto
José Sócrates e a ministra da Cultura durante a visita-guiada pelo edifício JORGE SILVA/NFACTOS

Ministra da Cultura diz que a opção por fundação para gerir o novo equipamento vai permitir abrir a instituição aos sectores privados e ter um conjunto mais alargado de sinergias

"Se o museu tiver no futuro tanta gente como hoje, está garantido." A afirmação de um dos convidados, ao meio-dia de ontem, para a inauguração do Museu do Côa dá conta da multidão que desafiou o sol e se deslocou a Vila Nova de Foz Côa para participar na abertura de um equipamento há muito esperado no Douro. O primeiro-ministro, dois ministros e outros tantos ex-ministros, dois secretários de Estado, governadores civis e presidentes de câmara, além de deputados, responsáveis de vários organismos públicos, locais e nacionais, e ainda... a embaixatriz dos EUA e representantes da província espanhola de Castela e Leão marcaram presença na cerimónia. Mas havia também habitantes da região, que não quiseram desperdiçar a oportunidade de saudar o primeiro-ministro, aplaudi-lo e dedicar-lhe música de festa pela Banda de Freixo de Numão.

"O Museu do Côa é um lugar cosmopolita e um equipamento sofisticado, de grande beleza arquitectónica, muito bem implantado na paisagem", concordaram, nas suas intervenções, José Sócrates e Gabriela Canavilhas, depois de uma visita-guiada às exposições e ao edifício projectado pelos arquitectos Camilo Rebelo e Tiago Pimentel.

Entre a sua intervenção na sessão e as declarações aos jornalistas, a ministra da Cultura justificou por que é que o Governo decidiu, anteontem, constituir uma fundação - a Côa Parque - em vez de uma sociedade anónima para a gestão do museu e do Parque Arqueológico do Vale do Côa (PAVC). É a melhor solução, disse, "para se abrir a instituição aos sectores privados, para ter um conjunto mais alargado de sinergias". Canavilhas disse ainda que a fundação salvaguardará, "absolutamente", tudo o que está consignado na criação PAVC, nomeadamente a área protegida de 20 mil hectares que o constitui. Neste processo intervirá também o Ministério do Ambiente: no seu discurso, a ministra Dulce Pássaro anunciou que um dos fundadores será a Administração Regional da Bacia Hidrográfica do Douro, com sede em Mirandela.

Soube-se também ontem, pela intervenção do director do Igespar, Gonçalo Couceiro, que a actual directora do PAVC, Alexandra Cerveira Lima, não quer continuar no cargo após o fim do seu mandato, em Setembro.