Opção "inevitável"

Sócrates: estratégia europeia contra alterações climáticas passará pelo carro eléctrico

O novo Nissan Leaf
Foto
O novo Nissan Leaf DR

Depois da aposta nas energias renováveis, a luta contra as alterações climáticas deve evoluir para os transportes, em especial para o carro eléctrico, disse hoje José Sócrates.

“As metas ambientais a que a União Europeia se impôs até 2020 não deixam outra alternativa que não seja o veículo eléctrico. Não tenho dúvidas que o veículo eléctrico vai triunfar nas cidades europeias”, afirmou, no lançamento do primeiro posto real da rede nacional de abastecimento para a nova geração de veículos, no Parque das Nações, em Lisboa.Esta aposta, que Sócrates considera “inevitável”, conta para já com uma estratégia concertada entre Portugal, Espanha, França e Alemanha - lançada por iniciativa portuguesa e apoiada pela presidência espanhola da UE.

O chefe do executivo acrescentou que Portugal terá em breve a rede mais “inteligente” e “integrada” de abastecimento dos veículos eléctricos, pelo menos na Europa, e que esse lugar “na linha da frente” é possível não só pelo modelo aberto de gestão, mas também pelo resultado na prioridade dos últimos anos à energia renovável.

Como reflexo dessa opção que “está a mudar a economia nacional”, lembrou que nos primeiros cinco meses do ano, o país produziu 70 por cento de energia eléctrica de fonte renovável e que, neste período, exportou mais electricidade do que importou, reconhecendo que uma grande parte deste balanço se deveu “especialmente” à chuva.

O modelo português de gestão da rede do veículo eléctrico, conhecida por Mobi-E, é caracterizado por,em primeiro, permitir a um consumidor possa usar qualquer dos cartões de abastecimento da rede, de diferentes operadores, em qualquer ponto de abastecimento, de diferentes operadores também. Em segundo lugar, incentiva o carregamento nocturno de forma a tirar partido da produção de energia renovável e a usar os automóveis como unidades de armazenamento.

O presidente da câmara de Lisboa, António Costa, ofereceu apoio ao Governo para este projecto, sendo uma das 25 cidades envolvidas na construção da rede nacional de carregamento do carro eléctrico. Depois, Sócrates e Costa entraram num Nissan Leaf, conduzido pelo primeiro, e foram até ao posto de carregamento onde executaram a operação. Em vez de puxar a mangueira para encher o depósito, Sócrates retirou do porta-bagagens uma extensão eléctrica com a qual carregou, em termos reais, o veículo.