Só 149 alunos chumbados no 8.º ano foram ontem a exame para tentar concluir o 3.º ciclo

Só os estudantes que chumbaram podiam tentar avançar um ano. Deputado do CDS reafirma que se transmitiu um "sinal de facilitismo"

A medida gerou polémica, sobretudo entre os partidos da oposição, com destaque para o CDS, que acusou o Ministério da Educação de promover o "facilitismo". Ontem confirmou-se o que directores de escolas e professores já tinham prognosticado: foram poucos os alunos chumbados no 8.º ano que tentaram aproveitar o regime excepcional criado este ano em seu benefício.

Segundo dados do ME, apenas 149 alunos do 8.º ano fizeram ontem a segunda chamada do exame de Língua Portuguesa. O número não surpreendeu o deputado do CDS José Manuel Rodrigues. "Já calculávamos que ia ser residual e, desses 149 alunos que foram a exame, provavelmente muitos também não passarão", afirmou ao PÚBLICO, frisando contudo que, para o CDS, o que sempre esteve sobretudo em causa nesta medida foi o "sinal de facilitismo" que se transmitiu.

Só aos alunos que chumbaram é que foi dada a possibilidade de tentar avançar um ano. Para evitar que os estudantes que já tenham sido retidos fiquem abrangidos pelo novo limite de escolaridade obrigatória e tenham que permanecer na escola até aos 18 anos, o Ministério da Educação permitiu que, mesmo com o 8.º ano por fazer, pudessem tentar concluir o 3.º ciclo, fazendo os exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática e as provas de frequência às outras disciplinas, realizadas a nível de escola.

Como as pautas do 8.º ano só foram afixadas nas escolas na passada semana, estes alunos só puderam candidatar-se à segunda chamada, marcada para ontem (Língua Portuguesa) e sexta-feira (Matemática).

Para a prova de Língua Portuguesa da segunda chamada inscreveram-se 809 alunos. Destes compareceram 459. Ao contrário do que se passa no ensino secundário, a segunda chamada dos exames do 9.º ano é só para situações excepcionais, nomeadamente para casos de alunos que tiveram que faltar ao primeiro exame por motivo de doença. Este ano puderam também inscrever-se os alunos do 8.º ano que foram chumbados pelos seus professores, desde que façam 15 anos até ao Verão. Estando com esta idade no 8.º ano significa que o estudante já ficou retido pelo menos uma vez.

Para as provas da primeira chamada inscreveram-se cerca de 90 mil estudantes. Ao exame de Língua Portuguesa, realizado no dia 16, faltaram 1868 alunos e ao de Matemática, que decorreu dois dias depois, 1778.

Ontem chegou também ao fim a primeira fase dos exames nacionais do ensino secundário, para a qual se inscreveram 161.654 alunos. No total dos 24 exames da primeira fase, registaram-se 260.743 presenças, menos 78.693 do que as previstas, o que representa 23,1 por cento, adianta a Lusa. À semelhança do que aconteceu no ano passado, os exames com mais faltosos foram os de Biologia e Geologia (56.730 inscritos, faltaram 17.848) e Física e Química A (dos 53 mil inscritos não compareceram 19.167). A segunda fase decorrerá entre 14 e 19 de Julho. Em 2009, da 1.ª fase para a 2.ª, a média em Física e Química passou de 8,4 para 8,0 e a de Biologia e Geologia de 9,5 para 8,8.