Biodiversidade

Lagoa no Algarve tem os primeiros ninhos de flamingos confirmados em Portugal

Em Portugal, a espécie pode ser observada desde o estuário do Tejo até ao Algarve
Foto
Em Portugal, a espécie pode ser observada desde o estuário do Tejo até ao Algarve Paulo Ricca/arquivo

Pela primeira vez foi confirmada a nidificação de flamingos em Portugal, na Lagoa dos Salgados, no Algarve, anunciou hoje a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (Spea).

Luís Costa, director-executivo da Spea, informou que foram identificados dois ninhos de flamingo (Phoenicopterus roseus) naquela lagoa costeira, entre os concelhos de Albufeira e de Silves. Neste momento, as aves estão a incubar os ovos, período deve durar cerca de 28 dias.

“A registar-se o sucesso da reprodução, será o primeiro caso confirmado em Portugal de nidificação desta espécie”, salienta a Spea.

Os ninhos, construídos nas águas da lagoa, foram encontrados por um observador de aves que contactou a Spea. A organização está, desde então, a acompanhar os ninhos com regularidade.

Luís Costa considera que esta descoberta é o resultado dos esforços internacionais de conservação do flamingo no Mediterrâneo, onde a espécie chegou a estar ameaçada. Nesta região, a ave nidifica apenas em Espanha, França, Turquia, Itália e Tunísia.

Em Portugal, a espécie pode ser observada durante todo o ano – nas zonas húmidas litorais desde o estuário do Tejo até ao Algarve -, sendo a maioria dos indivíduos provenientes das colónias de Espanha. Mas, até agora, nunca se tinha estabelecido como nidificante. Apenas no final dos anos 80 foi registada uma tentativa de nidificação nos sapais de Castro Marim, mas sem sucesso.

Ninhos em zona de grande perturbação

O sucesso da reprodução dos animais na Lagoa dos Salgados não é ainda garantido. “Não vai ser fácil”, comentou Luís Costa. A lagoa, um dos sítios mais importantes do Algarve para a conservação das aves, não tem qualquer estatuto de protecção legal. Mas a Spea e a Birdlife International classificaram-na como IBA (Área Importante para as Aves).

“Há bastante perturbação naquela área e o nível das águas pode ter flutuações importantes, ou seja, se o nível das águas subir, o ninho pode ficar debaixo de água”, explicou. Além disso, foram identificados na zona cães que representam uma ameaça para os ninhos das várias aves da lagoa.

A Spea espera agora que este seja “mais um factor decisivo para a protecção da lagoa”, nomeadamente para a sua classificação como Zona de Protecção Especial (ZPE). Todos os anos, a lagoa é visitada por milhares de pessoas que ali vão observar aves, nomeadamente pernilongos (Himantopus himantopus), alfaiates (Recurvirostra avosetta), caimões ( Porphyrio porphyrio) e pêrras (Arythya nyroca), uma espécie de pato que, em Portugal, só nidifica na Lagoa dos Salgados.

Luís Costa adiantou que a Spea tem vindo a reunir os “agentes com jurisdição na lagoa” e que estes estão sensibilizados para assegurar as condições de nidificação dos flamingos e das outras espécies que ali ocorrem.