Rajendra Pachauri em Lisboa

Presidente do painel climático da ONU diz que “cépticos” recebem muita atenção dos media

Foto
Ints Kalnins/Reuters

As pessoas que não acreditam na mão humana sobre o aquecimento global estão a ter uma atenção desproporcionada na comunicação social, disse hoje, em Lisboa, o presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, Rajendra Pachauri.

“Cinco ‘cépticos’ terão mais atenção do que 95 pessoas que acreditam”, afirmou Pachauri, numa conferência na Fundação Calouste Gulbenkian.

O presidente do IPCC reconheceu que os cientistas e o próprio organismo que dirige têm comunicado mal com o público e não estão preparados para responder aos “ataques”, segundo Pachauri, que lhe têm sido feitos nos últimos meses. Investigadores na área das alterações climáticas têm sido acusados de más práticas e manipulação de dados, na sequência da revelação de emails pirateados de um dos maiores centros de investigação nesta área, da univesidade britânica de East Anglia. O próprio IPCC tem sido alvo de críticas, devido a alguns erros encontrados nos seus relatórios.

Rajendra Pachauri sugeriu ontem que as incertezas científicas que existem sobre alguns aspectos das alterações climáticas não devem ser motivo para a inacção. “Até chegarmos à certeza perfeita, chegaremos ao desastre”, afirmou.

O IPCC analisou milhares de referências científicas no seu último relatório de avaliação sobre as alterações climáticas, concluído em 2007. O próximo, previsto para 2014, lidará com um número ainda maior de artigos, segundo Pachauri. Ainda assim, o presidente do IPCC diz que a investigação é geograficamente desigual. “Não há muitos países que estejam a apostar na investigação climática”, referiu.

No final da palestra, membros da assistência questionaram o papel do dióxido de carbono no aquecimento global. Pachauri respondeu: “Enviem-me os artigos científicos [sobre o assunto], que serão analisados”.