A classe média e a estabilidade social

Foto

Pode ser desastroso pôr a classe média a pagar a factura da crise ou fazer aprovar um PEC que a toma como alvo principal

"Numa sociedade em que cada um tenha algo a guardar e pouco a tomar, será difícil a ocorrência de revoluções violentas" (A. Tocqueville). Para o autor de A Democracia na América, nas sociedades democráticas, em comparação com as velhas aristocracias, os pobres seriam em pequeno número e, além disso, não estariam "ligados por laços de uma miséria irremediável e hereditária, enquanto que os ricos, além de pouco numerosos, não permitem que os seus privilégios atraiam os olhares..." (Idem).

Esta noção de "classe média", relativa à pequena burguesia proprietária, dos EUA do século XIX, mudou profundamente ao longo do século XX. Nas sociedades industrializadas do Ocidente, e na Europa em particular, a importância social e política da "nova classe média assalariada", sobretudo a partir da II Guerra Mundial, conferiu-lhe um outro significado, relacionando-a não só com o fenómeno da "mobilidade social" mas também com o papel do Estado. Porém, a relação directa entre a "classe média" e a "luta de classes" - ou, para usar uma linguagem menos conotada, o conflito estrutural - tem permanecido ao longo dos tempos. Enquanto o progresso económico (e tecnológico) pareceu infindável, pensou-se que o crescimento dos white collar seria igualmente ilimitado. No sector privado ou à sombra do Estado social, o imparável reforço da classe média era a garantia da coesão social. Quanto maior a classe média menor a conflitualidade. Isto porque a mobilidade social não se refere apenas a trajectórias de "subida", mas cria a ilusão de subida.

Em Portugal, não obstante a comprovada pequenez da classe média, as subjectividades colectivas trataram de a ampliar artificialmente. Assim, a nossa história recente diz-nos que, mais do que as oportunidades oferecidas aos que tinham "mérito", a mobilidade inseriu-se nos processos de rápida recomposição da estrutura social - sobretudo enquanto foram precisos novos profissionais para alimentar o sector público -, gerando o chamado "efeito escada rolante". Se a família X se via a si mesma em processo de subida era porque se comparava com a condição de origem (ou dos seus antepassados), isto é, era mais fácil ver quem estava para trás do que "os de cima", embora estes subissem a um ritmo igual ou maior. Apesar de tudo, os movimentos ascendentes, se bem que "de curto alcance", tiveram algum significado até ao início da década precedente. Sendo subjectivamente ampliados, funcionaram como ideologia adaptativa, e com isso contribuíram para a relativa estabilidade social. Inseridos nas camadas mais baixas da classe média, essas camadas puderam sonhar com o conforto de um status de pequena burguesia acomodada e consumista. Mas, verdadeiramente, nunca consolidaram a sua posição, antes se viram rapidamente estranguladas com tanta dívida e estão hoje à beira de um novo "deslizamento" para as franjas dos estratos mais baixos da sociedade. Com a agravante de terem ampliado os índices de privação relativa (e, portanto, o descontentamento e potencial revolta).

Enquanto os estratos superiores funcionaram como "classe de serviço", sendo recompensados pelo seu papel de apaziguadores da conflitualidade (e de veículos da ideologia tecnocrática), os estratos "médios-baixos" não passaram de "zonas tampão" de carácter transitório. É verdade que o estatuto da nova classe média também resultou de conflitos. As lutas sindicais na área da educação são apenas um exemplo disso, entre outros. Todavia, se até recentemente essas lutas foram sobretudo de natureza corporativa, é possível que no futuro elas aumentem em amplitude e intensidade. Se a pobreza no nosso país não é propriamente um fenómeno raro, no actual quadro de crise económica e de fortes medidas de austeridade, com o congelamento de carreiras e remunerações, os ataques à administração pública, o crescimento do desemprego e da precariedade, em suma, com o recuo do sector público todos estes segmentos saem fortemente penalizados. Pode, por isso, ser desastroso pôr a classe média a pagar a factura da crise ou fazer aprovar um PEC que a toma como seu alvo principal. Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra