Partidos vão questionar ministra sobre a Parque Escolar

Oposição vai aproveitar deslocação de Isabel Alçada amanhã ao parlamento para pedir esclarecimentos

Os partidos da oposição vão aproveitar a deslocação da ministra da Educação, Isabel Alçada, amanhã, à Comissão Parlamentar de Educação e Ciência (CPEC) para a questionarem sobre os critérios seguidos pela empresa Parque Escolar (PE) nas contratações das equipas de projectistas no âmbito da requalificação e modernização das escolas secundárias. Embora a ida da ministra ao parlamento não tenha a ver com este tema específico (integrando-se no âmbito das comparências regulares dos membros do Governo), os partidos vão confrontá-la sobre a PE porque entendem que há muitas questões a clarificar.

Os arquitectos que em Fevereiro lançaram uma petição online pedindo uma auditoria às contas da PE e a exoneração da administração daquela empresa pública são quem têm protagonizado as críticas mais ferozes ao processo. Aliás, alguns destes arquitectos solicitaram já uma audiência à ministra da Educação porque consideram que "os factos que foram recolhendo nos últimos três anos relativamente à PE indiciam procedimentos pouco criteriosos e que em nada abonam em favor de uma boa gestão dos dinheiros públicos", disse ontem ao PÚBLICO o arquitecto Tiago Mota Saraiva."Os ministros têm obrigações e os muitos cidadãos que subscreveram a petição esperam que a ministra tome uma posição sobre uma empresa cujos procedimentos e critérios levantam sérias reservas."

Luís Afonso, outro arquitecto que se tem empenhado na denúncia deste caso, considera "fundamental" que a ministra os receba porque, sublinha, "a defesa do interesse público não tem sido acautelada pela PE". "Gostaríamos de conversar com a senhora ministra", disse ao PÚBLICO Luís Afonso, afirmando que, se a audiência com Isabel Alçada acontecer, "será possível tornar o processo mais equilibrado e mais transparente."

Sugerir correcção