Família poderá pagar dívidas do cantor

Herdeiros de Michael Jackson assinam acordo recorde de 200 milhões com Sony

A Sony foi durante muito tempo a editora de Michael Jackson
Foto
A Sony foi durante muito tempo a editora de Michael Jackson Mike Segar/Reuters

O maior acordo discográfico de sempre ascende a 250 milhões de dólares (200 milhões de euros) e foi assinado entre a Sony e os herdeiros de Michael Jackson, noticiou esta manhã a imprensa dos Estados Unidos. Com base neste acordo, a editora de longa data do “rei da pop” vai poder distribuir até 2017 inéditos e produtos associados do músico falecido no ano passado. O primeiro desses projectos será lançado em Novembro deste ano, precisa a editora em comunicado.

O "New York Times" avança que esse primeiro álbum será a banda sonora do filme-documentário “This is it”.

Desde a morte de Jackson em Junho, a Sony obteve lucros de 31 milhões de dólares com lançamentos especiais de álbuns do cantor. O acordo agora concluído com os seus familiares, para o futuro, ultrapassa todos os valores de acordos assinados por editoras no mundo, incluindo os que foram alcançados por Madonna (120 milhões de dólares) e Jay-Z (150 milhões de dólares).

O dinheiro ajudará a família de Michael Jackson a saldar as dívidas do músico que, segundo estimativas, ascenderiam a 400 milhões de dólares quando morreu.

Segundo o "Wall Street Journal", que avançou a notícia, o acordo prevê o lançamento de dez discos nos próximos 17 anos, um dos quais de temas inéditos. O cantor terá deixado dezenas de temas desconhecidos.

Os projectos futuros poderão também incluir uma compilação em DVD de vídeos do músico e “Off the Wall”, o seu quinto álbum lançado pela primeira vez em 1979, juntamente com material inédito. O novo lançamento deste álbum era desejo do próprio cantor, segundo os seus familiares. Além de DVD e reedições, "os direitos estende-se a vários projectos. Pode chegar ao teatro. Pode chegar aos filmes. Videojogos ou novas plataformas multimédia que ainda não conhecemos", exemplifica Rob Stringer, citado pelo "Los Angeles Times".

A Sony vê este acordo como uma parceria. “Estamos empenhados em proteger o legado deste ícone e muito entusiasmados por poder continuar a levar a sua música ao mundo”, disse Rob Stringer, presidente do grupo.

Um dos gestores do espólio e legado de Jackson, John Branca, que negociou este acordo com a Sony, recorda como, ao longo da vida de Michael Jackson, os seus contratos com a indústria sempre "estabeleceram padrões". Reflectiam, diz, "a sua visão única e o seu talento". "Este acordo com a Sony demonstra o poder duradouro da música de Michael ao exceder todos os marcos prévios na indústria", diz John Branca no mesmo comunicado da Sony.

Notícia actualizada às 13h19