Liga

Um golo raro de Andrés Madrid resolveu o problema Rio Ave

Madrid foi o autor do golo da vitória
Foto
Madrid foi o autor do golo da vitória Fernando Veludo/NFactos

Sporting de Braga voltou às vitórias na véspera de visitar o Benfica. O argentino fez o único remate com êxito de um jogo pouco emotivo.

Foi preciso um golo de um jogador que raramente marca para o Sporting de Braga conseguir, finalmente, derrotar o Rio Ave (1-0). Andrés Madrid foi a solução para o problema e com isso a equipa de Domingos Paciência igualou o Benfica, que só joga este domingo, na liderança. O clube vila-condense, que não tinha perdido nas três últimas deslocações, vai ter de esperar para garantir a manutenção, que, de resto, não está longe.

Além dos três pontos, houve mais um lucro para o Sp. Braga: Filipe Oliveira, Matheus e Rodríguez não viram cartões amarelos e estão disponíveis para a Luz, onde na próxima jornada se vai disputar aquilo que o campeonato terá de mais parecido com “o” jogo do título.

O Rio Ave, que reclamou no campo uma grande penalidade de Evaldo no final do jogo, entrou melhor e teve uma oportunidade para o demonstrar aos 8’, quando Tarantini cabeceou para a barra depois de um cruzamento do activo Zé Gomes. Foi, num encontro com poucos remates verdadeiramente de perigo e a maioria deles de longe, a melhor ocasião dos visitantes. Mas no Estádio Axa costuma mandar o Sp. Braga e Madrid, aos 16’, inevitavelmente num disparo de fora da área que ainda desviou num adversário, encaminhou a vitória bracarense. O golo anterior do médio argentino no campeonato já tinha cinco anos e foi também nessa temporada (2005-06) que o Sp. Braga conseguiu 17 vitórias na Liga (então disputada a 34 jornadas), um recorde histórico igualado agora, ainda com sete jornadas de sobra.

Aproveitando a falta de uma referência ofensiva do Rio Ave – Bruno Fogaça esteve muito apagado, mas também desapoiado -, o Sp. Braga tomou conta do jogo e a iniciativa teria valido o 2-0 se Carlos não tivesse travado o remate de Rentería, titular no lugar de Meyong. Foi a última verdadeira sensação de golo do jogo. E aconteceu antes do intervalo.

O Rio Ave não facilita as coisas ao Sp. Braga. Foi o primeiro a provar que os minhotos eram humanos - o empate em Vila do Conde, na primeira volta, provocou-lhes a primeira perda de pontos. E depois eliminou-os da Taça de Portugal, após mais um empate e um desempate por penáltis.

Carlos Brito, que vive de goleadores de ocasião desde a saída de João Tomás, tentou abanar o jogo com Chidi e Nélson Oliveira, mas as balizas continuaram afastadas dos jogadores. Um remate para Hugo Viana, um para Matheus, mais um para Chidi e outro para Vítor Gomes. Simples a contabilidade da segunda parte, que terminou com o tal lance em que o Rio Ave pediu penálti por mão ou braço de Evaldo.

A Naval continua a ser o único clube capaz de sair de Braga com pontos.


POSITIVO e NEGATIVO

+


Defesas centrais
Foi a posição mais acertada do jogo. Todos estiveram bem (Moisés, André Leone, Gaspar, Fábio Faria e até o suplente Rodríguez) e as suas exibições justificam, em parte, as poucas jogadas de perigo e o recurso frequente dos avançados aos remates de longa distância.

Hugo Viana e Vítor Gomes
São dois médios que sabem desobstruir o jogo das suas equipas e construir futebol de qualidade. São ainda sinónimo de passes de bom nível.

-


Fogaça e Sílvio
O avançado mostrou-se pouco móvel e foi sempre facilmente controlado pelos defesas do Sporting de Braga. Já o lateral, que até tem sido um dos elementos em destaque na equipa do Rio Ave, errou muitos passes e criou imensos problemas aos seus colegas. Duas pedras que complicaram a vida à equipa de Carlos Brito.
Ficha de jogo

Sp. Braga,


1

Rio Ave,


0

Jogo no Estádio Axa, em Braga.Assistência
cerca de 12.000 espectadores.

Sp. Braga

Eduardo

6

, Filipe Oliveira

6

, Moisés

7

, André Leone

7

(Rodríguez

6

, 55’), Evaldo

6

, Madrid

6

, Hugo Viana

7

, Mossoró

6

, Matheus

6

(Meyong

-

, 84’), Alan

6

, Rentería

6

(Luís Aguiar

5

, 67’).

Treinador

Domingos Paciência.

Rio Ave

Carlos

6

, Zé Gomes

6

(Nélson Oliveira

6

, 55’), Gaspar

7

, Fábio Faria

7

, Sílvio

5

, Vítor Gomes

7

, Tarantini

6

, Wires

6

, Bruno Gama

6

, Sidnei

5

(Chidi

5

, 55’) e Bruno Fogaça

5

(Bruno Moraes

5

, 77’).

Treinador

Carlos Brito.

Árbitro

Jorge Sousa

5

(Porto).

Amarelos

Zé Gomes (37’), Sílvio (85’) e Meyong (94’).

Golos

1-0, por Andrés Madrid, aos 16’.

Notícia actualizada às 23h23
Sugerir correcção