Leite Pereira garante que Controlinveste nunca interferiu

Director do JN diz que Granadeiro pedia conhecimento prévio de notícias sobre PT

José Leite Pereira diz que Granadeiro pedia conhecimento prévio de notícias sobre a PT e que Rui Rio quis demitir direcção do JN
Foto
José Leite Pereira diz que Granadeiro pedia conhecimento prévio de notícias sobre a PT e que Rui Rio quis demitir direcção do JN Artur Machado

O director do "Jornal de Notícias" garantiu hoje que a administração do título não intervém na política editorial mas admitiu que o anterior administrador pedia para ter conhecimento prévio das notícias sobre a empresa.

"Não há por parte da administração tentativas de intervir" na linha editorial do JN, assegurou José Leite Pereira à comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Cultura.

"Não temos nenhuma discussão com a administração para não noticiar isto ou aquilo", afirmou, adiantando que "a única discussão [com a Controlinveste] versa sobre políticas estratégicas".

"Não há nenhuma intervenção do sr. Joaquim Oliveira nos conteúdos do jornal", sublinhou.

A anterior administração - antes da Controlinveste o jornal era detido pela PT/Lusomundo - tinha, no entanto, outra política.

Segundo adiantou José Leite Pereira, o presidente da Portugal Telecom, Henrique Granadeiro, chegou a pediu-lhe para ser avisado antes da publicação de notícias sobre a empresa, apesar de garantir que a decisão do director prevaleceria quando houvesse desacordo.

Henrique "Granadeiro pediu-nos para, antes de publicarmos artigos sobre a PT, o avisarmos", disse José Leite Pereira, acrescentando que "se houvesse algum problema, o que prevaleceria seria a linha editorial".

Apesar dessa posição da Lusomundo, o director do JN assegurou não ter sentido "nenhuma intromissão no trabalho da redacção" por parte das administrações lideradas quer por Henrique Granadeiro, quer por Luís Delgado ou por Joaquim Oliveira.

O director do JN revelou, contudo, que o presidente da Câmara Municipal do Porto Rui Rio "tentou demitir a direcção do jornal por várias vezes" intervindo junto da administração da Lusomundo.

Sugerir correcção