Mau tempo

Quercus: situação na Madeira evidencia "erros de ocupação do território"

O dirigente nacional da Quercus afirmou hoje que o caos provocado pelas fortes chuvas na Madeira é também “consequência dos inúmeros erros de ocupação do território” que se têm vindo a registar ao longo dos anos naquela ilha.

“É uma situação que obviamente decorre da forte pluviosidade. Mas existem inúmeros erros de ocupação do território que se têm vindo a registar ao longo do tempo e que agora demonstram as suas consequências”, afirmou Hélder Spínola à agência Lusa.

O dirigente nacional da organização ambientalista, que está na Madeira, lamentou o facto de “os cenários mais graves” para os quais várias entidades, incluindo a Quercus, alertaram, se estejam a confirmar.

No entender do responsável, a “situação catastrófica” que se vive actualmente no Funchal e em alguns concelhos limítrofes devido às fortes chuvas é também consequência das “construções junto aos leitos das linhas de água, dos lixos, terras e entulhos que têm sido despejadas dentro das ribeiras e da impermeabilização cada vez maior dos solos”.

“Estes são factores que agora nesta situação mais delicada acabam por significar, infelizmente, perdas de vidas humanas e uma destruição enorme de bens materiais”, criticou, explicando que as “ribeiras estão quase todas a galgar, há pontes destruídas e muitos carros arrastados”.

De acordo com Hélder Spínola, é fundamental que “de agora em diante se faça uma revisão da forma como ordenamos o território” e se assegure que “tudo não continue na mesma, como já aconteceu no passado”.

É também preciso “repensar a estratégia que tem vindo a ser seguida de ocupar os espaços, independentemente de eles estarem em zonas de risco”, realçou Hélder Spínola.

“É fundamental que não se continue a fazer isso. Existem situações que vêm de erros do passado, mas presentemente continuam a ser desenvolvidas obras e construções nessas mesmas circunstâncias”, criticou.