Autoridades investigam número "invulgar" de mortes por cancro no IADE

Foto
Em causa poderão estar alguns problemas na ventilação Nuno Ferreira Santos (arquivo)

Além do invulgar número de mortes, foram ainda registados vários problemas do foro oncológico e respiratório em outros funcionários. Números que foram considerados “invulgarmente elevados” pelo presidente do Colégio de Oncologia da Ordem dos Médicos, citado pelo mesmo jornal. Jorge Espírito Santo defende que a situação deve ser investigada e que se deve tentar perceber o tipo de tumores e excluir eventuais comportamentos de risco ou antecedentes genéticos entre os afectados.

O caso já motivou duas denúncias à Administração Regional de Saúde de Lisboa que assegurou estar a acompanhar a situação. Contudo, garantiu que, até ao momento, nada foi encontrado que possa justificar uma relação entre as mortes e as supostas avarias na ventilação do edifício projectado por Tomás Taveira.

Ainda assim, alguns professores ouvidos pelo jornal explicaram que trabalham com materiais tóxicos e que o pouco arejamento das salas faz com que estejam permanentemente a inalá-los. Por seu lado, Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing explicou ao “Expresso” que nenhum dos controlos que fez à qualidade do ar revelou problemas significativos e que apenas foi recomendado que se arejasse mais os locais de trabalho.