Alojado dentro do site da "Visão"

"Jornal de Letras" a partir de hoje na Internet

Foto
DR

O quinzenário Jornal de Letras, Artes & Ideias (JL) dispõe a partir de hoje de uma página na Internet - www.jornaldeletras.pt - no âmbito de uma política de renovação por ocasião do 30.º aniversário, que se celebra em Março.

“O jornal tinha já um blogue, mas uma gestão de meios e infra-estruturas permite alojarmo-nos no sítio da revista Visão”, explicou à Lusa o jornalista Manuel Halpern, coordenador da edição on-line.

“Uma das apostas fortes do sítio na Internet são os blogs, tendo sido convidados alguns nomes como Tiago Torres da Silva, o do Dr. Bakali, que é o pseudónimo do António Saraiva, José Bragança de Miranda, e um de homenagem a José Rodrigues da Silva”, que foi chefe de redacção do JL e faleceu há um ano, entre outros.

Manuel Halpern, que terá também o seu blog associado ao jornal, afirmou à Lusa que, “apesar de Rodrigues da Silva ser muito avesso às novas tecnologias, tinha um blogue de parede na redacção, e este blogue será feito com os seus textos, designadamente as críticas de cinema”.

Para o coordenador da edição on-line, este “será mais do que um sítio de notícias, mas fundamentalmente um espaço complementar de opiniões, debate de ideias e permitirá maior interactividade com os leitores, sabendo as suas opiniões”.

O novo sítio incluirá as notícias diárias de cultura da Agência Lusa.

“A opção por uma página própria na Internet - prosseguiu Halpern - surgiu até pelo êxito do jornal na rede social www.facebook.com, onde em pouco tempo alcançámos os 5000 subscritores, um facto tanto mais significativo que ao contrário de outras publicações não tivemos uma política activa nesse sentido”.

O jornalista considera que “o público, de uma forma geral, está mais atento às questões do foro cultural”.

Manuel Halpern adiantou que “este é o primeiro passo de uma remodelação do jornal, que completa 30 anos no próximo mês de Março”.

Com uma tiragem de 11 000 exemplares, o JL “não irá esquecer a sua missão lusófona, tanto mais que em algumas comunidades somos o único jornal português que lá chega”, realçou.

Sugerir correcção