Curadora Helena de Freitas poderá ser a nova directora do Museu Paula Rego

Foto
Helena Freitas, historiadora de arte enric vives rubio

Equipa de Dalila Rodrigues, que esteve um ano no museu, foi dispensada no final de Novembro, apesar de ter contrato até fim de Dezembro

A curadora Helena de Freitas, assessora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, está em negociações com a Fundação Paula Rego para a direcção da Casa das Histórias, em Cascais. A notícia foi avançada ontem pela revista L+Arte na sua página da rede social Facebook, na Internet.

Até à hora do fecho desta edição, Helena de Freitas não esteve disponível para comentar, mas, a confirmar-se a sua nomeação, sucederá à historiadora Dalila Rodrigues, que esteve um ano à frente do museu, durante a instalação deste, e que foi inesperadamente afastada em meados de Setembro, um mês e meio após a inauguração do espaço, período de transição para o modelo definitivo de funcionamento.

Na altura, a Fundação Paula Rego alegou divergências a quase todos os níveis, desde a visão para o futuro do projecto às competências da direcção e condições para o exercício do cargo, incluindo aspectos remuneratórios e regalias. Questões que, segundo a Fundação, só foi possível avaliar a partir do momento em que o processo de constituição formal dos órgãos da Casa das Histórias ficou lançado com a publicação dos estatutos em Diário da República, a 4 de Setembro.

De resto, esses mesmos estatutos denunciam alguns dos que poderão ter constituído os principais motivos de tensão, nomeadamente no que toca à liberdade da direcção para programar as actividades do museu, bem como para gerir a sua colecção.

Segundo o decreto-lei que cria o modelo de funcionamento da Casa das Histórias, compete ao conselho de administração "programar" e não simplesmente aprovar a actividade da fundação, bem como "preparar, mediante proposta do director do museu" e, de novo, não apenas aprovar, os planos de actividades, tendo liberdade para os rever quando necessário. Compete ainda ao mesmo conselho, com três representantes da pintora Paula Rego e dois da Câmara de Cascais, "formular e aprovar a política de incorporações [de obras na colecção] do museu".

Nascida em Lisboa em 1958, Helena de Freitas é licenciada em História (1982) e tem um mestrado em História da Arte (1986) orientado por José-Augusto França. Está no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian desde 1988, apesar de desde 1983 estar ligada à Fundação com projectos de investigação em arte contemporânea e de comissariado. Entre outras, foi comissária da grande exposição dedicada pela Fundação à obra de Amadeo de Souza-Cardoso, uma das exposições portuguesas mais visitadas de sempre, sendo também responsável pelo catálogo raisonée do artista.

Tanto Dalila Rodrigues como a sua equipa, entre os quais cinco coordenadores de serviços com contrato até final de Dezembro, foram dispensados no passado mês de Novembro.