Torne-se perito

Presidente da Câmara de Portimão queria algarvios no Governo

"A linha de escolha dos ministros anda entre Évora e Porto”, lamentou Manuel Luz
Foto
"A linha de escolha dos ministros anda entre Évora e Porto”, lamentou Manuel Luz VC

O presidente da Câmara Municipal de Portimão, o socialista Manuel da Luz, lamentou hoje que o novo executivo de José Sócrates não inclua qualquer ministro algarvio, quando entende que “a região dispõe de políticos competentes”.

“Na composição do novo Governo, é lamentável que se tenham esquecido do Algarve. Parece que a linha de escolha dos ministros, nos últimos 30 anos, anda entre Évora e Porto”, declarou o autarca socialista. Manuel da Luz admitiu que até quinta-feira transacta vários responsáveis regionais estiveram na expectativa de ver personalidades algarvias serem chamadas para integrar o novo Governo de José Sócrates.
Adriano Pimpão, ex-reitor da Universidade do Algarve e antigo secretário de Estado do Desenvolvimento Regional no Ministério de João Cravinho, a quem o autarca reconhece “experiência e currículo” para liderar a pasta da Economia, era uma das individualidades algarvias que poderia ter sido chamada, indicou Manuel da Luz. Para o Ministério da Agricultura, o autarca de Portimão apontou para Miguel Freitas, líder da Federação do Algarve do PS e ex-director regional de Agricultura. “Mais uma vez, a busca por um ministro da Agricultura ficou-se por Évora. Não digo que a culpa seja de José Sócrates, mas a equipa que trabalhou esta matéria devia de ter descido o olhar mais a Sul. É um erro não o fazer”, considerou.
O autarca refere que o que está em causa é “a afirmação do lóbi algarvio” e o reconhecimento das competências regionais: “O Algarve tem tido apenas secretários de Estado, de forma intermitente, e a verdade é que, pelo peso da região ao nível das receitas turísticas e pela sua importância na projecção da imagem do país no estrangeiro, merecia estar representado ao mais alto nível”.

Sugerir correcção