Caso Freeport

Cândida Almeida decide na próxima semana suspeição dos dois procuradores

Cândida Almeida
Foto
Cândida Almeida Pedro Cunha

Cândida Almeida, coordenadora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) só deve decidir na próxima semana o incidente de suspeição que o arguido Carlos Guerra, ex-presidente do Instituto da Conservação da Natureza, suscitou sobre os dois procuradores titulares do caso Freeport: Paes Faria e Vítor Magalhães.

O atraso no desfecho desta reclamação ficou a dever-se, soube o PÚBLICO, ao facto de ambos os magistrados se encontrarem em Londres em diligências relacionadas com a aprovação do Outlet de Alcochete. Esta diligência está a ser feita por Paes Faria e Vitor Magalhães devido à urgência da sua realização, situação que está prevista quanto à tentativa de afastamento de magistrados.

Os dois procuradores foram informados na semana passada, pelas autoridades britânicas, da realização das diligências na véspera destas se iniciarem em Londres, para onde tiveram de deslocar à pressa. Os dois magistrados devem insistir com as autoridades britânicas para que estas concluam a entrega de documentos relacionados com os movimentos de verbas supostamente usadas para conhecer o rasto do dinheiro presumivelmente pago pelo Freeport para implantar aquele mega-empreendimento numa área incluída na zona de protecção do estuário do Tejo.

A conclusão deste inquérito tem sido atrasada pelo facto de as autoridades britânicas ainda não terem fornecido elementos que atestem para quem, para onde e quanto dinheiro terá sido usado em luvas. Quando o rasto do dinheiro for conhecido, o inquérito deve ser rapidamente concluído e decidido o universo dos arguidos deste caso.

Sugerir correcção