Um fim dramático para Serena Williams

Foto
Serena pouco antes de saber que a sua penalização seria confirmada Andrew Schwartz/REUTERS

Kim Clijsters não precisou de jogar o último ponto para garantir a vitória sobre a norte-americana e marcar lugar na final do Open dos EUA com Caroline Wozniacki

a A enorme ambição e determinação com que Serena Williams disputou a meia-final do Open dos EUA com Kim Clijsters acabou por virar-se contra ela. Num momento de grande tensão, a 5-6 (15-30), a norte-americana reagiu violentamente quando lhe assinalaram uma falta de pé no segundo serviço, resultando numa dupla-falta e em dois match-points. E como já tinha sido advertida, recebeu um ponto de penalidade e ofereceu a vitória a Clijsters, por 6-4, 7-5. Um final dramático para uma campeã que dá sempre tudo no court. Desta vez, deu de mais."Juro por Deus que pego nesta bola e enfio-a pela tua garganta, ouviste? Juro por Deus!", foi a frase (não confirmada pela jogadora) que a juiz de linha que assinalou a falta transmitiu à árbitra de cadeira, Louise Engzell. "Ela disse que se sentiu ameaçada? Nunca me envolvi em nenhuma briga em toda a minha vida, por isso, não sei porque se sentiu insultada", afirmou Serena na conferência de imprensa, onde se mostrou conformada com a decisão de arbitragem. "Já tive pior feitio, acreditem. Estou bem melhor", garantiu ainda.
Ao entregar o set inicial após cometer o 14.º erro não forçado, Serena partiu a raqueta no chão, recebendo aí uma advertência. À segunda violação do código de conduta, sofreu um ponto de penalidade. "Aconteceu que era um match-point. É uma violação de conduta antidesportiva", limitou-se a confirmar o juiz-árbitro do torneio, Brian Earley, chamado ao court para confirmar a decisão.
Este desfecho anticlímax retirou brilho à exibição quase perfeita de Clijsters, que continua sem perder em Flushing Meadows desde o seu triunfo em 2005. A belga de 26 anos, regressada em Agosto ao circuito após uma ausência de dois anos e meio, mostrou-se sólida do fundo do court e fez Serena movimentar-se de um lado ao outro do court, forçando-a a cometer 31 erros directos, contra 18 de Clijsters, que ainda não tem ranking por só ter completado dois torneios.
"Ainda estou um pouco confusa com o que aconteceu, mas tenho que pôr tudo no seu lugar e não comemorar a vitória, mas sentir alguma alegria", disse Clijsters que, ontem à noite (madrugada em Portugal), pode ter-se tornado na primeira mãe a ganhar um Grand Slam, desde Evonne Goolagong, há 29 anos em Wimbledon.
A chuva, que caiu durante todo o sábado, só permitiu que as duas meias-finais se jogassem às 21h locais e ao mesmo tempo. No Louis Armstrong Stadium, Caroline Wozniacki (9.ª) confirmava o favoritismo diante da belga Yanina Wickmayer (50.ª), também de 19 anos. A dinamarquesa, igualmente estreante em meias-finais do Grand Slam, aproveitou a maior experiência no circuito (já conquistou três torneios do WTA Tour este ano) e triunfou com um duplo 6-3.