Música

Os diários de Byrne em bicicleta

Foto

O músico e realizador David Byrne, um dos fundadores dos Talking Heads (e também artista plástico: faz fotografia e instalações), acaba de publicar no Reino Unido o seu sexto livro, "Bicycle Diaries". Desde os anos 80 que o meio de transporte preferido de David Byrne (57 anos) em Nova Iorque é a bicicleta. "Quando fiz a minha primeira tentativa, senti-me liberto e com imensa energia. Foi estimulante circular pelas ruas sujas. No final dos anos 80 descobri as bicicletas desmontáveis, e quando ou o meu trabalho ou a minha curiosidade me levam para outras partes do mundo costumo levar uma bicicleta comigo", escreve ele.

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

No novo livro, Byrne conta como foram as suas viagens em bicicleta em oito cidades: Londres, Berlim, Istambul, Buenos Aires, Manila, Sydney, São Francisco e Nova Iorque. E também por outros sítios da América. O jornal britânico "The Guardian", que já leu o livro, acredita que este tem muito em comum com "What I Talk About When I Talk About Running", do romancista japonês Haruki Murakami (que vai ser publicado em Portugal pela Casa das Letras). Ambos os livros reflectem o que os autores vão meditando e pensando enquanto atravessam as cidades (um de bicicleta e outro a pé). Escreve também o crítico do "The Guardian" que este não é um livro onde se aprende a mudar um pneu ou a tapar um furo. Não é um guia daqueles em que nos dizem que tipo de bicicleta comprar, apesar de no final do livro existir um capítulo com algumas dicas. A determinada altura David Byrne está a falar dos ciclistas nova-iorquinos e escreve: "Talvez seja irrealista mas acho que se os ciclistas querem ser mais bem tratados pelos motoristas e pelos peões têm que obedecer às regras de trânsito tal como eles esperam que os carros o façam."  Um aviso sensato.