Faith No More Os anos 90 estão de volta?

Fotogaleria
Fotogaleria

Amanhã, no Festival Sudoeste, há outro regresso de glórias da década passada.
Os Faith No More também acordaram, 11 anos depois do fim.

Em alguns círculos, constantemente à procura da próxima tendência, fala-se já em revivalismo dos anos 1990. Olhando para os cartazes de amanhã dos festivais Rock One e Sudoeste, a tentação é grande para alinhar nessa tese: My Bloody Valentine no Algarve, Faith No More, outra instituição dessa década, no Alentejo.Onze anos depois do fim, que aconteceu duas semanas depois de concertos da banda no Porto e em Lisboa, eis os Faith No More de novo nos palcos com a formação que gravou "Album of the Year" (1997), último álbum do grupo: Mike Bordin, Roddy Bottum, Billy Gould, Jon Hudson e Mike Patton.
Nestes anos de ausência, todos tiveram outros projectos. Billy Gould, por exemplo, andou metido em algumas lides nu-metal (estilo que deve muito às experiências de fusão entre rap e rock dos Faith No More), enquanto Mike Bordin andou na estrada com Ozzy Osbourne e participou nos discos do vocalista dos Black Sabbath. Mas foi Patton que se manteve mais activo, multiplicando-se em projectos, do hip-hop romântico de Lovage aos demoníacos Fantômas, passando pela gestão da sua editora, a Ipecac.
Os convites para o regresso dos Faith No More apareciam com regularidade, mas a banda não queria pensar nisso. Até 2009. "O que mudou foi que este ano, pela primeira vez, decidimos sentarmo-nos e falar sobre isso. E descobrimos que o tempo permitiu-nos ter distância suficiente para olhar para trás com uma lente mais limpa. Apercebemo-nos que a música ainda soava bem e estamos a começar a apreciar o facto de podermos ter feito algo bem", afirmam num comunicado colocado no "site" oficial da banda. O anúncio do regresso foi feito em Fevereiro.
"We Care a Lot", a estreia de 1985, e "Introduce Yourself" (1987) continham já elementos do que seria o som clássico dos Faith No More (guitarras metálicas, bateria com precisão marcial), mas só com a entrada de Mike Patton, um alucinado vocalista com provas dadas nos Mr. Bungle, substituindo Chuck Mosley no microfone, é que a banda se torna realmente importante. Convenientemente chamado "The Real Thing" (1989), o álbum da estreia de Patton deu-se num dos discos fundamentais do rock dos últimos 20 anos (motivos não faltam: "From out of nowhere", com teclados deliciosamente xaroposos, "Epic", a demonstrar a elasticidade vocal de Patton, "Surprise! You're dead", metálica q.b., e a versão sublime de "War pigs", dos Black Sabbath). "Angel Dust", de 1992, confirmou o talento.
A boa disposição e a vontade de confundir continua intacta, a julgar pelos relatos dos concertos que a banda já deu. Impecavelmente vestidos, Patton e companheiros têm-se divertido a reinventar "Poker face", original de Lady GaGa, e "Fuck you", de Lily Allen, para além de êxitos como "Midlife crisis" e "The gentle art of making enemies". Para já ainda são só rumores, mas é possível que venham a gravar um novo disco. P.R.