Discurso em Peniche

Jerónimo de Sousa diz que partidos encobrem “podres” dos banqueiros

Banqueiros financiam CDS-PP, PSD e PS, acusou o líder do PCP
Foto
Banqueiros financiam CDS-PP, PSD e PS, acusou o líder do PCP PÚBLICO (arquivo)

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje em Peniche outros partidos políticos de encobrirem as práticas dos banqueiros por dependerem deles para as suas campanhas eleitorais quando falam das pequenas e médias empresas.

CDS-PP, PSD e PS “não tocam nos banqueiros porque são estes que financiam as suas campanhas e que determinam grande parte da comunicação social”, acusou Jerónimo de Sousa, que participava em Peniche num almoço de apresentação dos primeiros cinco candidatos do distrito de Leiria às eleições legislativas.

Segundo o secretário-geral do PCP, os partidos da oposição, “à medida que se aproximam as eleições”, têm vindo a demonstrar uma “súbito amor pelas pequenas e médias empresas”, lançando medidas de apoio ou chamando a atenção para os seus problemas.

Contudo, “nunca denunciam por exemplo as práticas da banca e as suas exorbitantes comissões que anulam a descida das taxas de juro, nem as dificuldades no acesso ao crédito e a exigência de mil e uma garantias” que, segundo o líder comunista, agravam a situação dos pequenos e médios empresários.

“Apontamos o dedo a uma política de direita realizada pelo PS que serve os grandes interesses e o grande capital”, acusou. “Não nos calaremos”, frisou repetidas vezes, sublinhando as injustiças deste Governo face às pequenas e medidas empresas em favor “dos ricos e capitalistas”.

Neste sentido, recordou os lucros da petrolífera Galp e do grupo económico liderado por Belmiro de Azevedo. “Sócrates não venha dizer que a crise é para todos [...]. Para os banqueiros é tudo mãos rotas”, afirmou o líder comunista.

No rol das críticas, Jerónimo de Sousa acusou também a comunicação social de se deixar influenciar pelos grandes grupos económicos, não passar as suas propostas, as “partes incómodas” que, segundo o dirigente comunista, são sujeitas a “cortes cirúrgicos” pelas chefias.

“As nossas propostas para os trabalhadores, para a economia e para as pequenas e médias empresas são sistematicamente silenciadas, caricaturadas e, neste sentido, o nosso protesto”, disse.

Em relação às eleições legislativas, é objectivo da CDU eleger pelo menos um candidato por Leiria, sendo a lista hoje apresentada liderada por Ana Rita Carvalhais, professora do ensino secundária e membro do Sindicato dos Professores da Região Centro.