Câmara de Lisboa "não pode" aprovar o novo Museu dos Coches, diz plataforma pelo património

O arquitecto Paulo Mendes da Rocha, autor do projecto
Foto
O arquitecto Paulo Mendes da Rocha, autor do projecto Nuno Santos

Autarquia vota na terça-feira

A Plataforma pelo Património Cultural (PPCult) defendeu hoje, em comunicado, que Câmara Municipal de Lisboa "não pode aprovar o novo Museu dos Coches" - um projecto que, lembra o PPCult, o presidente da autarquia, António Costa, já classificou como "desnecessário".

Num texto muito crítico, a plataforma lamenta que a CML se prepare "para quebrar da pior forma o seu silêncio comprometido, fazendo aprovar [está agendado na próxima terça-feira] uma resolução do vereador Manuel Salgado, na qual se propõe ‘a homologação de parecer favorável condicionado ao projecto do novo Museu dos Coches". Este parecer favorável surge depois de o arquitecto brasileiro Paulo Mendes da Rocha ter alterado o projecto, retirando o silo automóvel que estava planeado para a frente ribeirinha e que foi vetado pela CML.

O PPCult, cujo secretariado permanente é assegurado por Luís Raposo, director do Museu Nacional de Arqueologia, acusa também a CML por ter "permitido ao Estado o que a nenhum particular autorizaria", ou seja, "iniciar demolições e obras sem projectos aprovados" - numa referência às demolições já iniciadas nas antigas Oficinas Gerais de Material do Exército, na Avenida da Índia, local onde será construído o novo Museu dos Coches.

O que os membros da plataforma defendem é que, antes de tomar uma decisão, a Câmara participe no debate público sobre esta questão. "Pode até acontecer que se conclua [...] que o projecto [...] é aceitável, devendo apenas ser reprogramado nos seus conteúdos, por forma a respeitar não somente as prioridades de uma política cultural e museológica nacional, como as carências de oferta que se fazem sentir em Belém".