Presidente da República nega ter escondido carteira de acções

Cavaco Silva revela que "boa parte" das suas poupanças "estão desaparecidas"

Cavaco Silva prestou esclarecimentos sobre os seus investimentos
Foto
Cavaco Silva prestou esclarecimentos sobre os seus investimentos

O Presidente da República, Cavaco Silva, revelou hoje aos jornalistas que está a perder muito dinheiro com as poupanças que tem nos bancos e que parte delas “estão desaparecidas”.

“Eu e a minha mulher, antes de eu estar nesta posição, quando éramos apenas professores, não tínhamos as nossas poupanças debaixo do colchão, nem tão pouco no estrangeiro. E agora também não. Entregámos as nossas poupanças a quatro bancos, incluindo o BPN, para eles gerirem as nossas poupanças. Esperávamos que eles gerissem as poupanças bem, que conseguissem um bom rendimento. Infelizmente estamos a perder muito, muito dinheiro. Boa parte das nossas poupanças estão desaparecidas”, afirmou o chefe de Estado citado pela TVI.

O Presidente da República, Cavaco Silva, negou também ter escondido que tenha tido na sua carteira acções da Sociedade Lusa de Negócios, esclarecendo que o investimento nesses títulos foi feito por "um banco" a quem entregou as suas poupanças

"Recentemente foi noticiado que eu tinha tentado esconder que da minha carteira de títulos e da minha mulher faziam parte - há muitos anos, muitos anos antes de ser Presidente da República - acções da SLN. Não é verdade. E se eu digo que não é verdade é porque estou perfeitamente seguro que o posso dizer", afirmou Cavaco Silva, à margem da entrega dos prémios COTEC Inovação.

O Chefe de Estado remeteu ainda para um comunicado emitido em Novembro do ano passado em que esclarecia que as suas poupanças e da sua mulher foram entregues a quatro instituições financeiras que, por seu turno, fizeram aplicações em acções de diversas entidades, incluindo da SLN. "Em Novembro do ano passado emiti um comunicado dizendo onde podiam ser verificadas todas as aplicações feitas pelos bancos gestores em acções do BCP, BPI, EDP, Jerónimo Martins, Brisa SONAE e também a aplicação que um banco fez em acções da SLN", frisou.

Na sua última edição, o semanário "Expresso" noticiou que o Presidente da República comprou e vendeu acções da SLN, que era accionista do BPN e controlava o banco até à sua nacionalização. Aludindo à nota publicada no final de Novembro no site da Presidência da República - na qual é denunciada a "tentativa de associar" o Chefe de Estado do caso BPN e excluído qualquer envolvimento de Cavaco Silva negócios relacionado com o BPN - o Presidente da República considera que quem procura envolver o seu nome "não está a dizer a verdade".

"De uma fonte que eu indico no meu comunicado consta mesmo o preço a que as acções da SLN foram compradas e o preço a que foram vendidas. Sou muito escrupuloso no cumprimento da lei e por isso declaro tudo. Por isso, quem diz que eu procurei ocultar que da carteira de títulos minha e da minha mulher faziam parte acções da SLN não está a dizer a verdade, ou então não soube ler o comunicado que eu fiz", declarou. E reforçou: "se digo que não está a dizer a verdade é porque estou absolutamente certo que não está. Não vinha dizer isto se não soubesse muito, muito bem o que fiz e o que aconteceu.

Cavaco Silva participou hoje na entrega do prémio Produto Inovação da Associação Empresarial para a Inovação (COTEC), atribuído este ano à secagem de partículas por atomização desenvolvido pela empresa Hovione FarmaCiência.

Notícia corrigida às 21h23
Sugerir correcção