Quem já se esqueceu do Gomo?

Foto

Cinco anos depois, ei-lo que regressa. Gomo, ele mesmo. O homem da pop exuberante e da alegria adolescente de "Best Of", ressurge num mundo diferente. "Nosy" é o título do novo álbum e Gomo é o mesmo, entusiasmado com o futuro.

Lembram-se certamente. "Feeling alive" e "I wonder", rebuçados pop de exuberância juvenil que, em 2004, rodaram intensamente na rádio e puseram milhares a reproduzir coreografias exibidas em palco. A responsabilidade era de Paulo Gouveia, o músico que assina como Gomo.

"Best Of" foi o álbum, o primeiro de Gomo, responsável por toda a efervescência. Tinha título certeiro: era colecção de singles, devidamente luminosos, iminentemente trauteáveis.

Estávamos em 2004, repetimos, e nunca pensámos esperar tanto tempo pelo regresso. Nem nós, nem o Paulo Gouveia que connosco conversa acerca de "Nosy", o seu novo álbum. A verdade é que aconteceu muita coisa. Coisas como uma frustrante experiência americana, coisas como o nascimento de uma filha.

É um novo mundo este em que Gomo ressurge - há MySpaces, YouTubes e twitters, uma indústria musical (ainda mais) confusa. A sua música, contudo, não sofreu a passagem do tempo: "Não consigo fugir-lhe."

Depois de "Best Of", disco de sucesso, nunca se esperaria uma ausência tão prolongada. "Nosy", o segundo álbum, surge cinco anos depois. Porquê tanto tempo?

O maior problema está relacionado com a vida pessoal. Um novo relacionamento, uma mudança de casa, a gravidez da minha namorada. Tanta coisa que não permitiu concentrar-me devidamente na música que fazia. O caos até é porreiro, o que acontece é que há uma série de coisas a que tens de dar mesmo atenção e isso tirou-me o tempo real - a Emília teve uns problemas respiratórios logo após o nascimento e não tive mesmo hipótese de me desligar. Essas condicionantes fizeram com que o disco se atrasasse irremediavelmente. Já li críticas onde se dizia que este álbum fazia mais sentido há uns anos. Isso eu sei, mas não foi possível editar antes. De qualquer modo, queria que fizesse sentido com o "Best Of". Vamos tocá-lo ao vivo e não tinha qualquer lógica aparecer agora com canções mais lentas ou um álbum acústico.

"Nosy" foi sendo criado lentamente ao longo dos últimos cinco anos ou saiu de rajada quando o "caos" se dissipou?

Não sou o tipo de compositor que comece por gravar só voz e guitarra. Geralmente, acordo com uma música na cabeça, chego lá baixo - moro num duplex -, e tento gravar o máximo possível. As vozes, que são aquilo que, quanto a mim, cria a maior diversidade na minha música, são a última coisa a fazer - e isso inviabiliza muitos arranjos, porque obriga a reestruturar tudo. Por isso, apesar das ideias originais serem de há dois, três anos, a roupagem final é muito actual. Foi tratada ao mesmo tempo para conseguir uma estética semelhante.

Sendo alguém que se mantém bastante atento ao que se vai criando no universo pop - basta acompanhar o seu blogue -, foi certamente afectado por novos sons, novas bandas. "Nosy", contudo, mantém-se fiel à linguagem musical do primeiro álbum.

Houve uma altura em que fiquei um indeciso quanto ao que deveria fazer. Por exemplo, a seguir ao "Best Of" sai o disco do Mika. Depois temos os MGMT e os Vampire Weekend e encontrei neles muita coisa que fazia parte do meu universo. Quando ouvi os primeiros singles fiquei rendido: "É isto mesmo que gostaria de fazer". É muito fácil olhar para uma banda que te diz muito e segui-la, mas [fazendo-o] acabas por perder a noção do que és exactamente. Tentei fugir a isso, mas não consigo. Esta é a sonoridade que gosto mesmo de fazer. É a música que gosto de tocar e, principalmente, que gosto de reproduzir ao vivo. Porque tenho que me sentir bem a tocar aquilo ao vivo. Não sou músico para não dançar ou não saltar para junto do público. Não posso cantar música que não tem nada a ver com o tipo de reacções que depois tenho em palco, ou com o tipo de interacção que quero ter com o público.

Agora que regressa, não tem receio que, num universo pop onde tudo acontece cada vez mais rapidamente, o público tenha esquecido o Gomo?

Sem dúvida que esqueceu. Até agora, nunca tinha tido consciência disso, mas, neste momento, é um facto. Quando lancei "Best Of", estávamos na iminência de uma presença muito forte da internet, mas que ainda não se fazia sentir. Ou seja, não havia YouTube, não havia MySpace, ainda não podia promover o meu disco a esse nível. A partir do momento em que isso aconteceu, o mundo mudou. Hoje, consigo ouvir facilmente, num dia, 30 temas de que gosto bastante, mas tenho a perfeita noção de que não vou ouvir os 30 como deve ser. Vê-se isso muito bem no twitter, que funciona à velocidade real da nossa cabeça. Por exemplo, há 11 mil pessoas ligadas ao Nuno Markl, mas essas 11 mil estão depois ligadas a outras pessoas: músicos, realizadores, jornalistas. Aquilo que o Nuno Markl "twittou" há 50 minutos deixou de fazer sentido há precisamente 50 minutos - porque, a seguir, já houve mais dez "twits" a que se está a dar atenção.

Passados cinco anos do disco de Gomo, é isso que acontece. Para mim, como músico, isto é muito complicado de gerir e, para manter a minha sanidade mental, não posso pensar muito no assunto. Tenho que me concentrar nestas músicas. Tenho que defendê-las com unhas e dentes, não porque precisem, mas porque tenho de chamar mais a atenção para elas do que antes. Existe um processo de renovação constante e as pessoas andam muito mais distraídas que anteriormente.

"Final Stroke", o primeiro single do novo álbum, é uma canção em queda, a voz de um músico com graça na desgraça. É, de certa forma, a história da sua investida pelos Estados Unidos, em 2005 e 2006. Uma desilusão?

Em 2005 fui às convenções da Musexpo [ciclo de conferências, realizadas anualmente em Los Angeles, que reúnem agentes da indústria e artistas]. Estavam lá todos os grandes nomes da indústria musical e essa parte foi porreiríssima, porque estás com pessoas que são, no fundo, quem manda na indústria e faz a indústria tomar as direcções que toma. Mas, quando percebes que elas próprias não fazem a mínima ideia de qual é o futuro, que não querem saber de novas bandas... Essa foi uma das coisas que me escandalizou. Às tantas, uma banda perguntou a um A&R como poderia fazer chegar-lhe a sua música. Ele respondeu que a última vez que editara um disco mediante uma maquete que lhe chegara às mãos tinha sido há 13 anos, com os Ace Of Base. Explicou que, das duas uma, ou a banda descobria quem eram os seus filhos, que eram quem lhe recomendava a música, ou conhecia um grande amigo que, depois, o obrigasse a ouvir o disco. Quando se percebe este modo de funcionamento, a decepção é uma coisa brutal. Porque não há nada a fazer. Mostras o teu disco às pessoas e elas gostam, passas em rádios, tocas em bares e os bares estão cheios sem saberes porquê. Tudo muito fantástico, mas nada acontece e dizem-te logo que dificilmente acontecerá.

A ideia de "internacionalização" é, portanto, uma carta fora do baralho.

Não. Quero continuar a tentar. Não nos Estados Unidos, mas a Europa interessa-me bastante. Quero forçar este disco em Espanha, Itália, e mesmo nos países nórdicos, porque há muito potencial. Tenho sondado através de promotores suecos, holandeses, dinamarqueses e noruegueses e eles acham que pode resultar. Daí novamente esta aposta no inglês. De resto, para mim não faz sentido nenhum cantar em português, apesar de agora estar novamente na moda.

Acho que devo a mim próprio arriscar outra vez. Tenho que esquecer que passaram cinco anos e pensar apenas que este é o segundo disco. Uma coisa é certa, aprende-se sempre e eu gosto muito de aprender. Este disco chama-se "Nosy" precisamente por isso. Tenho metido o nariz em tudo, sou curioso em relação a tudo. Umas coisas correram bem, outras correram mal e, depois, isso reflecte-se na própria música. A verdade é que não me importo de cair se isso me der uma lição válida para o futuro.