Novo mapa judiciário

Noronha Nascimento: juiz-presidente a tempo inteiro é "corolário da independência do poder judicial"

Noronha Nascimento esteve presente na tomada de posse dos primeiros três presidentes de comarca, figura criada pelo novo mapa judiciário
Foto
Noronha Nascimento esteve presente na tomada de posse dos primeiros três presidentes de comarca, figura criada pelo novo mapa judiciário Daniel Rocha

O presidente do Conselho Superior da Magistratura (CSM), Noronha Nascimento considerou hoje que a consagração de um juiz como presidente das comarcas-piloto do novo mapa judiciário, a tempo inteiro, "é um corolário da independência do poder judicial".

O juiz-conselheiro Noronha do Nascimento falava hoje, em Lisboa, na tomada de posse dos três juízes presidentes das comarcas-piloto Grande Lisboa Noroeste, Baixo Vouga e Alentejo Litoral, que abrangem 18 tribunais, escolhidos pelo CSM.

"A consagração do juiz como presidente a tempo inteiro da comarca é um corolário da independência do poder judicial e do reconhecimento de que, nesta esfera, só o juiz é titular de órgão de soberania", afirmou.

Para o também presidente do Supremo Tribunal de Justiça, "a nova lei vem refazer a relação hierárquica entre juiz e funcionários, quebrada há 20 anos e cuja lenta sutura provocou danos prolongados".

"A gestão implica uma relação vertical entre juiz-presidente e funcionário que não pode ser dispensada sob pena de a coesão do tribunal como unidade orgânica se fragmentar em feudos diversos e conflituantes entre si", sustentou.

Os presidentes de tribunais são juízes nomeados pelo CSM, para um mandato de três anos, com formação específica em gestão e técnicas de gestão de tribunais para desempenhar as suas funções.

Hoje tomaram posse Paulo Silveira Brandão como juiz-presidente da comarca do Baixo Vouga, Ana Fernandes Silva para a comarca da Grande Lisboa Noroeste e Maria João Santos da comarca do Alentejo Litoral.

O período experimental do mapa judiciário vai durar dois anos, devendo a reforma estender-se ao resto do país em 2011. As actuais 231 comarcas serão reduzidas a 39 circunscrições.

O início da reforma do mapa judiciário será assinalado hoje com uma cerimónia no Palácio da Justiça de Sintra, na presença do primeiro-ministro, José Sócrates, e do ministro da Justiça, Alberto Costa.

O novo mapa judiciário implicou alterações ao Estatuto do Ministério Público que o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público considera inconstitucionais e violadoras do princípio da estabilidade dos magistrados e também do princípio da atribuição de competências da gestão das carreiras ao CSMP.

Sugerir correcção