Novo disco de B Fachada, logo depois Os Golpes, mais tarde a digressão Flor Caveira e o LP de Samuel Úria

Samuel Úria, João Coração, Manuel Fúria e Tiago Guillul
Foto
Samuel Úria, João Coração, Manuel Fúria e Tiago Guillul

Sai a 30 de Abril pela Flor Caveira, dia em que B Fachada o apresentará no Cabaret Maxime.

Tivemos o ano passado "Viola Braguesa", que foi a terceira edição de B Fachada e um dos discos do ano do Ípsilon. Pois agora está a chegar o longa duração e, nele, a matéria musical é tratada com banda completa. Por banda completa entenda-se Bernardo Fachada, que, da bateria aos teclados, passando pela viola braguesa e demais guitarras, se ocupou de todos os instrumentos. O disco já tem título, "Um Fim de Semana no Pónei Dourado", e estão dispensados de tentar desvendar metafóras. O título é descritivo. Não há nada que saber: o álbum foi gravado durante um fim-de-semana nos estúdios lisboetas Golden Pony.

Sai a 30 de Abril pela Flor Caveira, dia em que B Fachada o apresentará no Cabaret Maxime. Será o tiro de partida para um ano de grande actividade no eixo Flor Caveira /Amor Fúria. Isto porque, dois dias depois, a 1 de Maio, o aguardado álbum de estreia dos Golpes, "Cruz Vermelha Sobre Fundo Branco", é lançado num concerto no Santiago Alquimista, em Lisboa, data aproveitada para a apresentação de duas novas bandas da Amor Fúria, Os Velhos e Os Capitães da Areia, esta última um projecto paralelo de Manuel Fúria, vocalista dos Golpes, descrita como "boys band" devidamente festiva e apontada ao Verão que há-de chegar. Ainda em Maio chegará o primeiro disco dos bracarenses Smix Smox Smux, notável desbunda rock de lírica "popular-surreal".

De regresso a B Fachada. Para antecipar o álbum que aí virá, recomenda-se um salto à sua página de MySpace, onde está disponível "Beijinhos", uma das novas canções. A voz é imediatamente reconhecível, tal como o ambiente melódico, mas depois há a bateria a marcar o ritmo, um órgão dançarino a chamar um pouco de dança e até um sintetizador a compor o quadro. A julgar por ela, e apenas por ela, recorreríamos a um cliché: "Um Fim-de-Semana no Pónei Dourado" representa uma "evolução na continuidade".

Bernardo Fachada, com a certeza de quem não se limita a conhecer as restantes 10 canções do álbum (também as compôs e gravou), descreve ao Ípsilon o seu primeiro longa-duração como "um disco de Verão" - o que, de resto, combina com a mui solar e mui romântica capa que ostenta. Precisa: o álbum "começa ali em Agosto e segue até Setembro". Por isso, acrescenta, "arranca com o emigrante, com o 'Zé!' [título da primeira canção]".

Quanto a contributos exteriores, contam-se apenas a voz de Márcia, nova cantautora que se apresentou recentemente com Samuel Úria no Cabaret Maxime, e a guitarra de J. de Almeida, que acompanhou Fachada no seu EP de estreia, "Até Toboso".

Entre as canções do alinhamento, encontram-se algumas já conhecidas dos concertos, como "Lá na selva", "Zappa português" ou "D. Filomena". Esta última, música resgatada ao cancioneiro português, como registado em "Tradição Oral Contemporânea", documentário de Tiago Pereira, surgirá, diz-nos Fachada, em versão pop.

Ao que o Ípsilon apurou, B Fachada juntar-se-á nos próximos meses a uma digressão colectiva intitulada "O Giro da Flor Caveira", organizada após proposta lançada pela Valentim de Carvalho - contornos mais precisos da empreitada serão revelados em breve. A Fachada juntar-se-ão Tiago Guillul, João Coração (que ultima o sucessor de "Sessão de Cezimbra"), Pontos Negros ("Magnífico Material Inútil" será alvo de reedição a 20 de Abril) e Samuel Úria. Este último ocupará em Junho os estúdios da Valentim de Carvalho para aquilo que Tiago Guillul descreve como "uma sessão Dylan style com a banda a ir atrás do homem": "soul, calor do órgão e as cordas certas". Daí sairá um longa-duração que tem edição prevista para Setembro - o novo passo de Úria após o lançamento, o ano passado, do EP "Em Bruto".

Entre os planos da Flor Caveira estão também os Diabo na Cruz, novo projecto de Jorge Cruz com Bernardo Barata, dos Feromona, João Pinheiro, dos Gnu e TV Rural, e João Gil, dos V. Economics - EP em Junho, álbum em Novembro.