Defesa

Novos aviões C-295 da Força Aérea começam a operar no segundo semestre

Os novos aviões vão substituir os 24 Aviocar (na imagem)
Foto
Os novos aviões vão substituir os 24 Aviocar (na imagem) Carlos Lopes (arquivo)

Os primeiros aviões C-295 M comprados por Portugal ao consórcio espanhol EADS para substituir os 24 Aviocar da Força Aérea vão começar a operar no segundo semestre deste ano, disse fonte militar.

As três aeronaves (de 12 encomendadas à EADS) vão ser apresentadas amanhã numa cerimónia com a participação do chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Luís Araújo, que assinala também a transferência da esquadra 502, que opera estes aviões, na Base Aérea Nº1, em Sintra, para a Base Aérea Nº6, no Montijo. De acordo com o porta-voz da Força Aérea, António Seabra, os 12 aviões vão custar 460 milhões de euros, pagos com recurso a leasing operacional, e vão ter duas configurações: transporte aéreo táctico (sete aparelhos) e segurança marítima (cinco).

A entrada das três aeronaves na sua actividade operacional depende apenas da conclusão da qualificação das tripulações, que está a ser concluída em Portugal depois de uma passagem dos militares por Espanha. Os novos aparelhos, que vão chegar a Portugal à cadência de um a cada seis meses, aumentam a capacidade de transporte aéreo táctico deste ramo das Forças Armadas já que a versão militar do C-295 tem uma autonomia duas vezes superior à dos Aviocar (cerca de dez horas).

Consoante a missão, o C-295 consegue ainda ser configurado para transportar alternadamente 70 passageiros, 45 pára-quedistas totalmente equipados, 24 macas ou três veículos. Os C-295 vão substituir gradualmente os aparelhos Aviocar, cujo destino final terá de ser agora decidido pelo Governo.

Para além de Espanha, operam o C-295 países com o Brasil, Finlândia, Chile, Polónia, Suíça e Jordânia. A compra dos novos aparelhos foi decidida pelo antigo ministro da Defesa Paulo Portas e posteriormente formalizada pelo seu sucessor na pasta no governo socialista, o actual ministro dos Negócios Estrangeiros e ex-ministro da Defesa Luís Amado.

Nos termos do contrato de contrapartidas, avaliado em 460 milhões de euros, a EADS (maior fabricante aeronáutico europeu) vai aumentar de um para 30 por cento o peso que detém no consórcio que controla a OGMA. Para mais tarde fica a substituição dos seis aviões Hércules C-130 de transporte estratégico (por aviões europeus A400M, também da EADS, ou aparelhos C-130J, da norte-americana Lockheed Martin).

Em 2006, o então ministro da Defesa Luís Amado justificou o adiamento deste programa sustentando que os C-130 estão ainda em "muito estado" e podem manter-se ao serviço "por mais 15 anos".