Inquérito do World Book Day

Mentiras e livros: dois terços das pessoas dizem que leram o que não leram

24 por cento das pessoas mentem sobre ter lido a Bíblia
Foto
24 por cento das pessoas mentem sobre ter lido a Bíblia Mykola Lazarenko/Reuters

Uma sondagem levada a cabo pelo site britânico World Book Day revelou que dois terços dos inquiridos já mentiram sobre livros que leram, sendo o 1984 de George Orwell (42 por cento) e o Guerra e Paz de Leo Tolstoi (31 por cento), seguido do Ulisses de James Joyce (25 por cento), aqueles que mais pessoas tinham dito que leram sem ser verdade.

A razão da mentira, na maior parte dos casos, era simples: impressionar o interlocutor. A Bíblia (em quarto lugar, com 24 por cento) e a autobiografia de Obama A Minha Herança (Dreams From My Father, no original) (nono lugar, com 6 por cento) também estão na lista dos livros sobre os quais as pessoas mais mentiram.

Antes de Obama estão Madame Bovary, de Gustav Flaubert (16 por cento), Uma Breve História do Tempo de Stephen Hawking (15 por cento), Os Filhos da Meia-Noite, de Salman Rushdie (14 por cento), Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust (9 por cento). A lista termina com O Gene Egoísta, de Richard Dawkins.

Outras conclusões do inquérito: 41 por cento dos que responderam às questões confessaram ter ido espreitar à última página para saber o que acontece antes de terem terminado o livro. E ainda 96 por cento admitiram ter ficado acordadas até tarde para acabar um livro.

A Lista:

1. 1984, George Orwell (42 por cento)

2. Guerra e Paz, Leo Tolstoi (31 por cento)

3. Ulisses, James Joyce (25 por cento)

4. A Bíblia (24 por cento)

5. Madame Bovary, Gustave Flaubert (16 por cento)

6. Uma Breve História do Tempo, Stephen Hawking (15 por cento)

7. Os Filhos da Meia-Noite, Salman Rushdie (14 por cento)

8. Em Busca do Tempo Perdido, Marcel Proust (9 por cento)

9. A Minha Herança ( Dreams From My Father, Barack Obama (6 por cento)

10. O Gene Egoísta, Richard Dawkins (6 por cento)