Decisão do tribunal é conhecida hoje

Presidente sudanês manda TPI "comer" mandado de captura

Omar al-Bashir presidiu a uma inauguração ontem, no norte do país
Foto
Omar al-Bashir presidiu a uma inauguração ontem, no norte do país ZOHRA BENSEMRA/Reuters

O Presidente do Sudão, marechal de Campo Omar al-Bashir, declarou ontem que o Tribunal Penal Internacional (TPI) "pode comer" o mandado de captura que hoje talvez venha a passar em seu nome.

Perante milhares de pessoas que queimaram uma efígie do procurador principal do TPI, Luis-Moreno-Ocampo, o Chefe de Estado sudanês, que tem um processo em curso devido a 35.000 mortes violentas entre as populações do Darfur teve palavras provocatórias para com a instância que está a apreciar o seu caso.

Foi ao inaugurar a central hidroelétrica de Merowe, no Norte do país, que Bashir fez aumentar a tensão nas horas que antecedem a tomada de decisão pelo TPI. Ele poderá ser o primeiro Presidente em funções a ser alvo de um mandado de captura e teme-se que, se tal acontecer, se vingue nos estrangeiros residentes no Sudão e nos grupos oposicionistas.

O jornal britânico "The Guardian" dá hoje conta de que as embaixadas ocidentais, as agências humanitárias e as Nações Unidas, que têm mais de 26.000 capacetes azuis em território sudanês, designadamente no Sul, fizeram planos de contingência para o caso de se verificarem actos de violência ou de haver ordens de expulsão.

O Sudão não reconhece o TPI e afirma que nunca entreguerá Al-Bashir para que ele venha a ser julgado nos Países Baixos.