A estatística aplicada aos Óscares: a vitória é de “Quem Quer Ser Bilionário?”

Foto

Um analista americano, Nate Silver, aplicou a sua metodologia estatística aos Óscares. Confirmações e surpresas.

Se aplicarmos uma rigorosa metodologia estatística à corrida para os Óscares, dá uma confirmação das previsões ou uma série de surpresas? Para responder a esta pergunta, a revista "New York" foi falar com o analista do momento, Nate Silver - http://nymag.com/movies/features/54335/

Aluno de economia na Universidade de Chicago, Silver, 30 anos, ajudou a desenvolver um sistema de previsões estatísticas para o "baseball" profissional cuja precisão apanhou toda a gente de surpresa. Aplicando os seus conhecimentos e a sua tecnologia à política, o analista lançou em 2008 o site FiveThirtyEight.com, que forçou a uma revisão completa do modo como os media clássicos lêem as sondagens, criou um novo "standard" de análise dos números eleitorais e se tornou no blog a seguir para acompanhar os resultados das eleições.

Agora, Silver aplicou os seus modelos analíticos à corrida para os Óscares, usando "software" estatístico para construir uma base de dados dos últimos 30 anos de prémios numa série de categorias e introduzir uma série de factores de controle externos que podem afectar os resultados, desde outros prémios ganhos pelos nomeados até à opinião dos utilizadores do site Internet Movie Database (http://us.imdb.com).

A maior surpresa é que Silver dá como vencedora na categoria de melhor actriz secundária Taraji P. Henson, em "O Estranho Caso de Benjamin Button", quando os observadores dão como vencedora Penélope Cruz, por "Vicky Cristina Barcelona".

O modelo de Silver dá a vantagem a Henson (com 51 por cento de probabilidades de ganhar, contra 24,6 por cento de Cruz) porque o filme de David Fincher é o único nomeado para melhor filme que está também nomeado para melhor actriz secundária, e não tem praticamente hipóteses de ganhar em nenhuma outra categoria principal.

Silver confirma Heath Ledger como favorito na categoria de melhor actor secundário, com a morte prematura do actor a praticamente garantir a vitória, e "Quem Quer Ser Bilionário?" a vencer melhor filme e melhor realizador por valores na base dos 99 por cento de probabilidades.

O analista dá a vitória de Danny Boyle em melhor realizador por certa, e avança que "Quem Quer Ser Bilionário?" só poderá perder (para "Milk") se os membros da Academia decidirem dividir o "mal pelas aldeias" e entregar os prémios de filme e realizador a filmes diferentes.

Finalmente, o modelo de Nate Silver dá a vitória a Mickey Rourke em melhor actor e Kate Winslet em melhor actriz, mas com reservas. Segundo as estatísticas, Rourke leva vantagem sobre Sean Penn porque este último já venceu o Óscar (por "Mystic River"). E Winslet leva vantagem sobre Meryl Streep porque, ao contrário da veterana americana, a actriz inglesa ainda não ganhou o Oscar, apesar das suas cinco nomeações prévias.

Silver dá 71,1 por cento de hipóteses a Rourke (contra 19 por cento de Penn) e 67,6 por cento a Winslet (contra 32,4 de Streep). No seu modelo, as restantes nomeadas para melhor actriz têm... zero hipóteses de ganhar.