Índice de conjuntura recupera inesperadamente

Bolsa de Nova Iorque valorizava apesar dos anúncios de mais despedimentos

O índice de conjuntura recuperou, apesar dos despedimentos em muitas empresas norte-americanas e em multinacionais com presença nos EUA
O índice de conjuntura recuperou, apesar dos despedimentos em muitas empresas norte-americanas e em multinacionais com presença nos EUA
Fotogaleria

A Bolsa de Nova Iorque seguia a valorizar após uma hora de negociação, apesar do anúncio de mais despedimentos em grandes empresas norte-americanas.

Às 15h25 (hora de Lisboa), os índices industrial, Dow Jones, e tecnológico, Nasdaq Composite, progrediam 1,9 e 2,5 por cento, respectivamente, depois de um início sem direcção definida. Uma das explicações para esta reanimação do principal mercado bolsista mundial poderá residir no índice compósito dos indicadores económicos dos EUA, que cresceu 0,3 por cento em Dezembro e que contrariou a tendência dos meses anteriores. O índice avalia a evolução da conjuntura nos seis meses seguintes e o valor de Dezembro sugere que a recessão económica nos EUA se irá prolongar até ao final da Primavera.

A Caterpillar, a Home Depot, a Corus, a ING e a Philips são algumas das empresas que anunciaram hoje despedimentos avultados, com o objectivo de adequar as suas estruturas de custos à quebra da procura e das vendas. O fabricante norte-americano de bulldozers e escavadoras vai suprimir 20 mil trabalhadores, a Home Depot sete mil trabalhadores, os mesmos que a ING, a Corus irá dispensar 3500 e a Philips seis mil.

Esta vaga de despedimentos é generalizada a todos os sectores de actividade e muitas das firmas admitem que irão navegar à vista e à espera que o cenário não se degrade ainda mais. Porque se for isso que acontecer, novos cortes de custos, principalmente de pessoal, poderão estar na mira das empresas.