Torne-se perito

João Lobo Antunes: "Conheço muitos professores e nos últimos meses não vi um feliz"

O ministério tem de perceber as razões do descontentamento. E se, para haver diálogo, devem terminar as retóricas extremistas, depois tem de se decidir

Leu o Estatuto do Aluno e ficou apavorado. Tem falado com muitos professores e percebeu que o seu desconforto tem motivos que vão muito para lá das guerras da avaliação. Defende ainda que educar não quer dizer que os estudantes sejam obrigatoriamente felizes nas escolas, antes que recebam os instrumentos para construírem a sua felicidade.

Há uns meses, aquando do primeiro protesto dos professores, disse que o "respeito pelos professores é um valor por si mesmo" e "que está acima de qualquer outra coisa". Seis meses depois, esta imagem não está ainda a ser mais atacada?
Depois da expressão pública do que sucedeu há seis meses, achei que se iria entrar num período de paz. E se entendo que é um princípio fundamental o respeito por qualquer profissão, o respeito pelos professores é ainda mais importante, pois o futuro do país depende da educação dos seus cidadãos. Por isso estranho que, seis meses depois, regresse a mesma retórica de extremismo. Cada um fica no absoluto da sua verdade, sem aceitar os argumentos contrários, com culpas repartidas, e não sei como se vai sair daqui.

Esta semana chegámos a assistir a alunos a atirarem ovos à ministra...
Sempre ouvi falar, desde que estamos em democracia, em direito à indignação. A indignação, desta vez, manifestou-se sobre a forma da gemada, o que, numa altura em que há dificuldades e gente a passar fome, não penso ser a melhor forma de protestar.

Os professores deviam tentar evitá-las?
É difícil. Os alunos têm as suas formas de se exprimir e os professores sabem que é ilegal dar uma palmada.

Depois da manifestação de 8 de Março, depois da acalmia que permitiu que os exames corressem bem, como se explica que os professores tenham voltado a Lisboa ainda em maior número?
Porque, subterraneamente, o descontentamento era muito grande e não tinha sido resolvido. Depois de um Prós e Contras sobre este tema em que participei, fui chamado por um grupo de professores do distrito de Leiria e estive a ouvi-los. Percebi então que a questão era muito mais funda e não podia ser reduzida ao problema da avaliação. Depois, como médico, recebo muitos professores no meu consultório, conheço muitos professores, e nos últimos meses ainda não vi um feliz. Isso é altamente preocupante. As pessoas não estão satisfeitas, sentem-se muito limitadas no que fazem, até na capacidade de preparar as aulas, sentem-se encerradas numa "gaiola de ferro" burocrática. Encontro professores que, por doença, ficaram limitados, que são excelentes professores mas a quem dizem que ou trabalham de uma determinada maneira ou não podem entrar na escola. Como o consultório de um médico é um pouco como um confessionário, percebi que havia uma grande insatisfação que, agora, explodiu.

O ministério não devia ter "sensores" no terreno para perceber isso mesmo? Ou há insensibilidade para entender o que sentem os professores?
Acho que a palavra-chave é sensibilidade. E também afecto. É preciso olhar para isto de outra forma. Não vai à força, nunca foi. É necessário perceber as causas do descontentamento. Quando não há realização profissional, quando os professores não se sentem bem com o que estão a ter de fazer, nunca poderão dar o seu melhor à escola e aos alunos. Isto é uma verdade auto-evidente.

A ministra diz que qualquer reforma desencadeia sempre resistências, enquanto pessoas como Manuel Alegre apelam ao diálogo...
Um primeiro-ministro inglês do princípio de século XX dizia que a democracia era o governo pelo diálogo, mas para que funcionasse era necessário que se calassem. O diálogo não pode perpetuar-se sempre, a certa altura é necessário chegar a conclusões. Pessoas como eu, que foram treinadas para resolver problemas, sabem que há uma altura em que é necessário levar as pessoas a fecharem conversas. Ora, o que tenho sentido é que os alunos estão a ser esquecidos nesta discussão. Os professores tinham um trabalho a fazer, e basta ver como o processo dos exames do ano passado correu bem para ver que o fizeram. Mesmo não sendo fácil: sempre que me convidam, vou falar às escolas, e quando olho para aquelas turmas, para aqueles alunos, vejo como é difícil tê-los na mão.

Os professores sentem que alguns instrumentos que tinham para controlar as turmas lhes foram retirados...
Eu li o Estatuto do Aluno e aquilo é absolutamente mirabolante. Até o português que utiliza é de uma complexidade artificial, é o "eduquês" oficial, pelo que quando vejo aquela escrita desconfio do pensamento que a gerou, de como essas pessoas entendem a Educação. Ora, a Educação serve fundamentalmente para dar instrumentos de felicidade às pessoas. Ora, a felicidade não é gratuita, tem de ser construída. A escola não serve para manter alunos felizes. Já o Presidente Wilson, dos Estados Unidos, que antes era reitor da Universidade de Princeton, dizia que a preocupação de que os meninos têm de ser felizes na escola não faz sentido.

O que faz sentido é dar-lhes instrumentos para depois serem capazes de construir a sua felicidade?
Para construírem a sua felicidade e para serem cidadãos de uma democracia. A educação é um processo admirável porque é um processo de transformação. O que tenho escrito de natureza mais autobiográfica é muito sobre o processo da minha educação. E também, depois, sobre a experiência da partilha com os alunos.

Quando dá as suas aulas, quando recebe alunos que não conhece, o que é que lhes diz?
Primeiro que tudo, é necessário olhá-los nos olhos. Depois não se pode ter medo. Este ano dei duas aulas aos alunos do primeiro ano, a uma assembleia larga que bateu palmas no fim, e disse-lhes que tinham uma obrigação moral pelo simples facto de terem entrado para Medicina, até porque à porta tinham ficado muitos, se calhar alguns melhores do que eles. Disse-lhes que, quando se entra para uma universidade, assume-se um compromisso moral que tem de ser respeitado. E que isso implica muito trabalho. É importante que isto lhes seja dito sem medo.

Para João Lobo Antunes há uma crise grave nas universidades, pois perderam 11 por cento do financiamento destinado ao pagamento dos professores e restante pessoal. Contudo, acredita na possibilidade das universidades se auto-reformarem, mesmo lamentando a falta de generosidade, em disponibilidade pessoal e em recursos financeiros, dos agentes económicos que deveriam aproximar-se mais do nosso sistema de ensino superior.

As universidades queixam-se de que estão a ser asfixiadas financeiramente. Esta semana, o reitor da sua universidade fez uma intervenção muito dura, acusou o Governo de realizar inspecções até ao cêntimo, de limitar a autonomia...
Obviamente que há um subfinanciamento. Basta pensar que a fórmula do financiamento não se alterou e passou a existir uma fatia paga para a Caixa Geral de Aposentações. Objectivamente, há menos 11 por cento nos orçamentos das escolas. O argumento do ministro Mariano Gago é que há má gestão, e pode ter havido alguns erros, mas o que disse o professor Nóvoa - que é uma pessoa séria e um homem de boa vontade - é verdade. Neste momento há uma crise muito grave, e é incontroverso que há subfinanciamento. Ora, isto é tanto mais lamentável quando as universidades querem dar um salto para um projecto diferente, para uma nova era que subscrevo inteiramente, e é complicado terem de fazê-lo numa altura de penúria e de conflito.

A penúria nem sempre é má e a abundância por vezes amolece...
Há limites. Fala-se, por exemplo, de ir buscar recursos a outras áreas, mas todos sabemos como é limitada a colaboração com a indústria e como esta se limita a áreas restritas. As faculdades que têm uma forte componente de Humanidades, que são fundamentais para a formação das elites, para a reflexão sobre o destino e a identidade do país, são muito penalizadas. Já a unidade de investigação de que sou presidente, o Instituto de Medicina Molecular, consegue ter 40 por cento do seu financiamento fora do Estado, 15 por cento vindo do estrangeiro. Mas mesmo a biotecnologia é um investimento arriscado e a longo prazo. No contexto actual da sociedade portuguesa, é ilusório pensar que as universidades têm capacidade para ir buscar à economia um financiamento substancial. Até a ciência tem dificuldades, mesmo tendo havido uma grande revolução que tem um pai, o professor Mariano Gago. E um dos grandes problemas é termos falta de massa crítica de gente com qualidade nas instituições e nas elites. É talvez o maior problema do país.

O reitor disse que se podem contratar com facilidade 300 investigadores mas nem um professor...
É um argumento reitoral que não corresponde bem à verdade, mesmo sendo verdade que este ministro tem o coração com a investigação e trata o ensino superior como um filho bastardo muito feio. No meu instituto só contratamos depois de provas prestadas perante um júri internacional e o candidato tem mesmo de ser excepcional, senão preferimos continuar com o lugar vago. A nossa ligação à universidade também é importante porque alguns dos nossos investigadores também gostam de ser professores e isso pode ser muito inspirador. Já nas universidades houve um tempo que bastava fazer-se o doutoramento e ficava-se logo professor auxiliar, o que era impensável. Daí que se há alguma coisa importante a fazer, que seja rever o Estatuto da Carreira Docente. O novo regime jurídico das universidades, que no cômputo geral é positivo apesar de ter muitos problemas, terá dificuldades em produzir efeitos sem um novo estatuto para as carreiras docentes.

O reitor citou o prof. Miller Guerra que dizia que as universidades não se auto-reformam.
Admiro muito o prof. Miller Guerra, que foi meu professor e era meu amigo, mas nesse ponto não concordo com ele. As universidades são das criações mais duradouras da inteligência humana, têm resistido a tudo. E são também organismos vivos...

E como é que organismos vivos podem viver dentro de uma jaula, como é, de certa forma, o actual Estatuto da Carreira Docente?
Não conseguem, é óbvio.

Mas não se vê nenhum reitor, nem o conselho de reitores a dizerem-no.
Diz-se muito mal do conselho de reitores, até dizem mal os próprios reitores. Mas aquilo em que acredito é que as universidades se podem auto-reformar. Oxford ou Harvard estão sempre a auto-reformar-se.

Aí há uma participação exterior muito forte, muito mais do que participar nos futuros conselhos gerais, pois implica o financiamento da universidade.
Nós temos essa dificuldade, reconheço. É muito difícil encontrar pessoas que queiram participar. Há uma enorme falta de generosidade, não só financeira como de disponibilidade pessoal. Por outro lado, quando mudarmos o Estatuto de Carreira Docente, teremos também o grande problema da avaliação. Todos sabemos que não há uma cultura da avaliação em Portugal, há sim uma cultura de desconfiança. Em vez de acreditarmos no juízo independente do mérito, desconfia-se logo. Ora assim uma das nossas tragédias é que não há forma de demitir, de afastar, um professor incompetente. Não tenho soluções, mas temo a resistência a uma avaliação de que resulte o afastamento dos incompetentes. J.M.F.

Pelo menos no caso do Santa Maria, em Lisboa, e do seu Serviço de Neurocirurgia, há um antes e um depois da passagem a hospital-empresa. O depois é muito melhor.

Como vamos de Saúde?
No meu serviço vamos bem. Estou num hospital empresalizado, o de Santa Maria, em Lisboa, e todos os dias vou feliz trabalhar, vou bem. Ficamos aquém do que gostaríamos de fazer, mas dentro da relação contratualizada com a direcção do hospital - tantas operações, tantas consultas... - não tenho limites para o que necessito, já que cumprimos.

Está melhor do que quando a gestão do hospital era feita directamente pelo Estado?
Incomparavelmente melhor. Mas tenho angústias, pois não consigo dar resposta a todos os que nos procuram, e devíamos conseguir dar resposta. Há três, quatro anos, comecei a sentir-me bem, pois nos 15 anos anteriores vinha para o hospital e muitas vezes interrogava-me sobre o que é que estava ali a fazer. Mesmo encontrando situações insuperáveis, como ter cada vez mais doentes idosos, abandonados, pobres. Vê-se a pobreza nas consultas. Não há escoamento para estes doentes...

"Uma das nossas tragédias é que não há forma de demitir, de afastar, um professor incompetente"

Foi mandatário da candidatura presidencial de Jorge Sampaio, depois da de Cavaco Silva. Tem acompanhado as polémicas recentes, classifica como "episódio desprezível" o ocorrido na Madeira, lembra o trabalho "subterrâneo, não visível" que os dois presidentes sempre fizeram e sintetiza assim a forma como ambos encaram o cargo que exercem: "O que sei é que Jorge Sampaio, como agora Cavaco Silva, colocam na sua missão um enorme empenhamento e respeito pelo cargo. Eles passam pelo cargo e querem deixá-lo não só mantendo a integralidade dos poderes que a Constituição lhe confere, mas também exercê-lo de acordo com o seu entendimento e do dever de ser Presidente".

Sugerir correcção